O regime do ditador Nicolás Maduro deteve pelo menos 70 pessoas por motivos políticos desde o dia 17 de março, quando a quarentena foi imposta no país, até 23 de abril, de acordo com dados divulgados pelo Fórum Penal em meados de abril.

Defensores dos direitos humanos e familiares de presos políticos denunciaram que o ditador Nicolas Maduro está aproveitando a quarentena para intensificar perseguições, repressão, transferências ilegais e tortura psicológica.

De acordo com relatório divulgado pelo Fórum Penal sobre a repressão na Venezuela, também foram registradas centenas de detenções de pessoas por suposta quebra da quarentena em várias áreas do país. Os venezuelanos são detidos por protestarem contra a situação precária do pais, como também por não usarem máscaras ou por abrirem o comércio durante a quarentena.

A escassez de gasolina se espalhou por todo o país, incluindo a cidade de Caracas, bem como a interrupção constante do serviço de eletricidade, água e gás, é o que informa o relatório do Fórum Penal. O último balanço do Fórum Penal publicado em 20 de abril de 2020 registrou 39 presos políticos e 15.328 prisões desde 2014, incluindo 9.104 com medidas cautelares e 865 civis apresentados em tribunais militares. Com informações de https://www.elnacional.com