por angelica ca
O Senado americano aprovou na quinta-feira (02/07), por unanimidade, uma legislação que impõe sanções a autoridades chinesas envolvidas na implementação da nova lei draconiana de segurança nacional em Hong Kong aprovada na terça-feira (30/06).

A legislação estabelece a imposição de multas a indivíduos que infringissem a semi-independência de Hong Kong, bem como às unidades policiais que reprimem os manifestantes e aos bancos que fazem negócios com o Partido Comunista Chinês.

O projeto foi aprovado também por unanimidade na quarta-feira (01/07), na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos e segue agora para assinatura do presidente norte-americano Donald Trump.

O regime comunista chinês aprovou nesta semana, a controversa lei de segurança nacional em Hong Kong, que proíbe atividades secessionistas, subversivas ou terroristas, bem como a intervenção estrangeira nos assuntos internos da cidade, alimentando ainda mais os temores de que o país comunista busca reprimir pessoas que não sejam residentes na região.

De acordo com o artigo 38 da legislação draconiana, “será aplicável a infrações contra a Região Administrativa Especial de Hong Kong, nos termos desta lei, cometidas fora da região por uma pessoa que não seja um residente permanente da região”.

Segundo informou o Daily Mail,  isso significa que os estrangeiros que apoiam a independência de Hong Kong ou pedem a imposição de sanções ao governo chinês podem ser processados ​​ao entrar em Hong Kong ou na China continental, mesmo que não sejam residentes da cidade. Com informações de Daily Mail, Epoch Times e The Hill.