por angelica ca
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou na terça-feira (14/07) duas ações que seu governo tomou contra autoridades e entidades chinesas responsáveis por assinar a lei draconiana de segurança nacional sobre Hong Kong.

Durante entrevista coletiva na Casa Branca, o mandatário americano anunciou que havia assinado a Lei de Autonomia de Hong Kong e também assinou uma ordem executiva que encerra o tratamento preferencial que os Estados Unidos concederam a Hong Kong desde 1997, quando voltou ao controle da China. “Nenhum governo foi mais duro com a China do que este”, declarou Donald Trump.

Assinei uma ordem executiva que põe fim ao tratamento preferencial dos Estados Unidos face a Hong Kong. O território passará a ser tratado como o resto da China, sem privilégios especiais, sem tratamento econômico especial e sem exportação de tecnologias sensíveis. E também aplicamos tarifas maciças sobre a China“, disse Donald Trump.

O presidente americano afirmou que a nova lei concederá ferramentas para responsabilizar os indivíduos e as entidades envolvidas na extinção da liberdade de Hong Kong. De acordo com Donald Trump, muitas pessoas deixarão a região, e anunciou que não falou com o ditador chinês Xi Jinping, e que também não pretende de fazê-lo.

No início de julho, o Congresso americano aprovou um projeto de lei que estabelece sanções para funcionários chineses bem como aos bancos que negociam com autoridades chinesas. O projeto foi aprovado majoritariamente no Senado e na Câmara dos Deputados. Com informações de Infobae, DW e Fox News

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE