por angelica ca e paulo eneas
As principais redes sociais do Ocidente removeram o vídeo de uma transmissão ao vivo realizada por um grupo de médicos norte-americanos nesta segunda-feira (27/07) e que foi divulgado originalmente pelo site de notícias conservador Breitbart News. A redes usaram o argumento de sempre, alegando suposta violação de suas políticas.

Os médicos são membros do grupo America’s Frontline Doctors, e declararam apoio ao uso da hidroxicloroquina no tratamento e prevenção de pacientes com a covid, e afirmaram que  as informações que circulam nos meios de comunicação e nas redes sociais condenando o medicamento são errôneas.

A transmissão foi feita em frente ao prédio da Suprema Corte de Justiça dos Estados Unidos, em Washington. Durante a transmissão, os médicos afirmaram que a hidroxicloroquina representa a cura para a covid, e que as pessoas não precisam usar máscaras para impedir a disseminação do vírus chinês.

O grupo também contestou estudos recentes que afirmam que o uso hidroxicloroquina é ineficaz para o tratamento da doença do vírus chinês. Segundo estes médicos, afirmações desse tipo são uma falsa ciência falsa patrocinada por empresas farmacêuticas

“Este vírus tem cura, e a cura chama-se hidroxicloroquina, zinco e azitromicina. Não há necessidade de usar máscaras, e existe uma cura.”

O grupo também pediu uma abordagem adequada para a pandemia de vírus do vírus chinês e defendeu a abertura de escolas e empresas.

Durante a transmissão ao vivo, a Dra. Stella Immanuel, médica de atendimento primário no Rehoboth Medical Center em Houston, Texas, disse que tratou mais de 350 pacientes com covid usando uma combinação de hidroxicloroquina, zinco e azitromicina, e atribuiu a cura dos pacientes com o vírus à combinação destes medicamentos: “Nos últimos meses, depois de cuidar de mais de 350 pacientes, não perdemos um”, disse a médica.

A censura explícita das redes sociais controladas por corporações globalistas
Segundo informou o site Breitbart, as imagens no Facebook acumularam mais de 17 milhões de visualizações em 8 horas e tinham 185.000 espectadores simultâneos no momento em que foram transmitidos. No YouTube, um clipe do evento recebeu 80.000 visualizações antes de ser removido pela plataforma.

O Breibart ainda informou que após remover as imagens da transmissão ao vivo, o twitter limitou a conta oficial do Breitbart News, o que significa que a conta não pode ser usada para enviar tweets. Um porta-voz do twitter disse ao Breitbart News: “Os tweets com o vídeo violam nossa política de desinformação da covid. Estamos tomando medidas em conformidade com a nossa política”.

O Twitter restringiu a conta de Donald Trump Jr. nesta terça-feira (28/07), após ele ter compartilhado o vídeo do grupo de médicos. Alegação do twitter é que o filho do presidente dos Estados Unidos teria supostamente violado as normas da plataforma ao “espalhar informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à covid.” O youtube também removeu o vídeo, substituindo a filmagem por uma mensagem dizendo que o conteúdo foi removido por “violar as diretrizes da comunidade do youtube”.

Os leitores do Crítica Nacional podem assistir aqui ao vídeo do America’s Frontline Doctors, removido das redes sociais por conta da censura e da guerra que os agentes globalistas têm promovido contra o medicamento que cura a covid e que tem salvo milhares e vidas. Com informações de Breitbart, The Epoch Times e CNBC.


[videopress 4FY6Jgjl]