por angelica ca de paulo eneas
O Senado da Argentina discutirá nesta quinta-feira (27/08), o projeto de reforma do Poder Judiciário daquele país apresentado pelo presidente Alberto Fernández, do Foro de São Paulo. O projeto prevê entre outros a criação de uma nova justiça criminal federal que unificará os fóruns criminal e econômico.

A nova formação prevê a criação de quarenta e seis tribunais de primeira instância. Os doze tribunais criminais atuais do distrito de Comodoro Py serão juntados aos onze tribunais econômicos criminais. Está prevista também a criação de vinte e três outros novos fóruns, com novos magistrados que seriam nomeados.

O Fórum Criminal Federal de Comodoro Py, em Buenos Aires é responsável por instruir os principais processos de corrupção política e crime organizado do país. É neste Fórum Criminal onde está centrada a proposta de reforma do judiciário elaborada pelo governo esquerdista argentino.

A proposta de lei para remodelar o judiciário portenho foi enviada ao Congresso na semana passada pelo presidente Alberto Fernández. O suposto objetivo da proposta é reduzir o poder dos juízes atuais. O projeto está sendo questionado por estar estar sendo apresentado em um momento em que o país atravessa uma de suas piores crises econômicas e de saúde pública

Existe o entendimento em amplos setores da sociedade argentina de que tal projeto não constitui-se em prioridade nacional no momento. A avaliação presente é que a reformulação da estrutura do judiciário visa unicamente atender aos interesses da vice-presidente argentina, a criminosa Cristina Kirchner.

A mandatária portenha responde a sete ações na justiça, envolvendo inclusive assassinato. Em duas destas ações ela teve a prisão preventiva já decretada. Desde que o Foro de São Paulo peronismo voltou ao poder na Argentina em dezembro por meio de seu braço peronista, vários dirigentes políticos kirchneristas que estavam presos por corrupção foram colocados em liberdade. Com informações de Infobae, Clarin e Gazeta do Povo.


Crítica Nacional Notícias:


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE