por angelica ca
Os Estados Unidos enviaram uma carta a vários comitês da Organização das Nações Unidas em que rejeitam veementemente o empenho da ONU de tentar, a pretexto da pandemia do vírus chinês, promover a legalização do assassinato de fetos. A carta, enviada em 11 de agosto e publicada online em 25 de agosto, foi endereçada a vários escritórios da ONU, entre eles o Grupo de Trabalho sobre Discriminação contra Mulheres e Meninas.

“Recebemos sua estranha e inexplicável carta de 22 de maio de 2020 sobre as supostas restrições tomadas no contexto da pandemia do coronavírus para impedir o acesso aos serviços de aborto nos Estados Unidos”, disse o Embaixador dos Estados Unidos no Escritório das Nações Unidas em Genebra, Andrew Bremberg, em referência às críticas que o país recebeu depois que alguns de seus estados decidiram restringir certos procedimentos médicos não essenciais para impedir o avanço da covid.

“Os Estados Unidos estão decepcionados e rejeitam categoricamente essa tentativa transparente de aproveitar da pandemia COVID-19 para afirmar a existência de tal direito”,  disse a missão dos Estados Unidos em Genebra em uma carta ao Grupo de Trabalho da ONU sobre Discriminação contra Mulheres e Meninas.

A Missão dos Estados Unidos para Organizações Internacionais em Genebra respondeu a uma carta Grupo de Trabalho da ONU sobre Discriminação contra Mulheres e Meninas enviada aos Estados Unidos sugerindo que estados americanos, incluindo Texas, Oklahoma, Alabama, Iowa, Ohio, Arkansas, Louisiana e Tennessee “pareciam estar manipulando a crise do covid para restringir o acesso à atenção básica ao aborto”.

Em sua resposta , a Missão dos Estados Unidos rejeitou a ideia de um “direito assumido ao aborto” e denunciou a interferência da ONU. “Como detentores de um mandato de direitos humanos das Nações Unidas, vocês estão, sem dúvida, cientes de que o direito internacional dos direitos humanos não reconhece nenhum direito ao aborto”, escreveu Andrew Bremberg.

A carta ainda denunciou os abusos dos direitos humanos que ocorrem na província chinesa de Xinjiang, onde o governo mantém mais de um milhão de muçulmanos uigures e outras minorias em campos de concentração, sofrendo torturas e doutrinação religiosa, trabalho forçado, assim como abortos e esterilizações, e instou a ONU a se concentrar em abusos reais dos direitos humanos.

“No entanto, o sistema das Nações Unidas, incluindo o Secretário-Geral, o Conselho de Direitos Humanos e o Alto Comissariado para os Direitos Humanos, têm sido muito passivos neste tema, inclusive quando podem encontrar ampla oportunidade para opinar sobre assuntos políticos internos norte-americanos”, escreveu. Com informações de National Catholic Register, The Hill e Statecraft.


Crítica Nacional Notícias:


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE