por angelica ca
A virologista chinesa Li-Meng Yan, que fugiu para os Estados Unidos no início deste ano,  afirma que tem certeza que vírus chinês foi criado em um laboratório controlado pelo governo em Wuhan, cidade de origem da pandemia. A virologista afirma ainda possuir evidências para comprovar sua acusação.

Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia pela Escola de Saúde Pública de Hong Kong, explicou no talk show britânico Loose Women exibido na última sexta-feira (11/09) que ela foi uma das primeiras cientistas chinesas a conduzir pesquisas sobre o novo vírus que causou milhares de mortes em todo mundo. Segundo ela, o regime do Partido Comunista Chinês está mentindo para o mundo sobre a origem do novo coronavírus.

Desde o início da pandemia, o regime comunista chinês vem afirmando que o vírus se originou em um mercado de peixes em Wuhan. Porém, Li-Meng Yan afirmou durante a entrevista que o governo chinês usa essa versão como cortina de fumaça, pois segundo ela o vírus na verdade veio do laboratório de biotecnologia de Wuhan.

De acordo com a virologista, ela foi uma das primeiras cientistas designadas pelos seus supervisores no final de 2019 para monitorar relatórios de uma pneumonia não identificada em Hong Kong. Antes da identificação do novo vírus, muitos temiam que as infecções fossem decorrentes da SARS.

Li-Meng Yan mostrou o fato ao seu supervisor, que também é consultor da Organização Mundial da Saúde. No entanto, a virologista não apenas não foi levada a sério como foi advertida para ter cuidado e ser muito cautelosa.

“Basicamente, trabalhei com um grupo dos maiores especialistas do mundo em coronavírus e também em doenças emergentes. E como eu havia me formado na China continental e sou a única que pode falar mandarim lá, fui a única da equipe central designada para fazer a investigação secreta sobre a nova pneumonia em Wuhan em dezembro”, disse Li-Meng.

A virologista prossegue: “Durante minha investigação, que durou do final de dezembro ao início de janeiro, e então pela segunda vez até meados de janeiro, o que descobri foi relatado ao meu supervisor, que é um consultor da OMS, mas não houve resposta da entidade.”

Li-Meng Yan afirmou ainda que recebeu ameaças para manter silêncio ou então seria obrigada a desaparecer. A médica afirmou ao programa Loose Women que em breve publicará todas as evidências científica de que dispõe para demonstrar a responsabilidade da China comunista na pandemia da covid. Com informações de Breitbart, CNBCTV e TierraPura



Crítica Nacional Notícias:


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE