por angelica ca e paulo eneas
Uma das fundadoras do grupo racista e terrorista Black Lives Matter e diretora do Black Futures Lab, Alicia Garza, fez parceria com uma entidade ligada ao Partido Comunista Chinês para financiar suas operações de lobby nos Estados Unidos. A parceria entre os dois grupos foi relatada pela primeira vez pelo Daily Signal nesta terça-feira (15/09).

O Black Futures Lab, com sede em San Francisco, foi fundado em 2018 e é dirigido por Alicia Garza, uma marxista declarada. No site do grupo, está descrito que o Black Futures Lab é um projeto patrocinado pela Associação Progressista Chinesa, entidade da esquerda norte-americana com ligações com a ditadura comunista chinesa.

Ao clicar na opção de fazer doação no website do Black Futures Lab, o usuário é enviado  automaticamente para uma janela com os valores a serem contribuídos para a organização, e em seguida é informado que a doação será enviada para uma organização obscura: a Associação Progressista Chinesa. Logo em seguida aparece a explicação: Black Futures Lab é um projeto patrocinado fiscalmente pela Associação Progressista Chinesa.


A Associação Progressista Chinesa foi fundada em San Francisco no início de 1970 e continua a ser parceira do regime de ditadura comunista chinesa desde então. Um artigo da Universidade de Stanford de 2009 documentou seus laços marxistas: “A Associação Progressista Chinesa começou como uma organização esquerdista e pró-República Popular da China, promovendo o pensamento revolucionário da China continental (…)”.

De acordo com sua declaração de missão, a A Associação Progressista Chinesa “educa, organiza e capacita a comunidade de imigrantes chineses de baixa renda e classe trabalhadora em San Francisco para construir poder coletivo com outras comunidades oprimidas para exigir melhores condições de vida e trabalho e justiça para todas as pessoas”.

A militante marxista Alicia Garza é também ligada ao ditador venezuelano Nicolas Maduro. Em um discurso em 2015 ela afirmou que o capitalismo precisa ser abolido para que a vida dos negros tenha importância. Outra fundadora do Black Lives Matter, Patrisse Cullors, descreveu a si mesma e a Alicia Garza como marxistas treinados. No vídeo de 2015 em que faz a declaração, aparecem cenas de distúrbios e de incêndios.

O grupo terrorista Black Lives Matter declara em seus estatutos que tem como objetivo abolir a família nuclear, a polícia e as prisões, extinguir o que chamam de heteronormatividade e abolir o capitalismo. O grupo passou a ganhar mais evidência e apoio após a morte de George Floyd em maio deste ano.

Conforme relata o site Gatestone Institute, os fundadores do Black Lives Matter admitem abertamente que são ideólogos marxistas. Seus mentores confessos incluem ex-membros do Weather Underground, um grupo terrorista radical de esquerda que buscou trazer uma revolução comunista aos Estados Unidos nas décadas de 1960 e 1970. Com informações de The Daily Signal, Panam Post, Daily Caller e Gatestone Institute.


Crítica Nacional Notícias: