por paulo eneas
O jornal norte-americano New York Post publicou uma reportagem nesta quarta-feira (14/10) revelando um escândalo de corrupção e de lobby em favor de empresa estrangeira ucraniana envolvendo o candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden.

O escândalo é de tal dimensão que pode arruinar a campanha do candidato democrata e até mesmo levá-lo à cadeia, juntamente com seu filho. As plataformas de redes sociais facebook e twitter estão impondo uma censura explícita à divulgação da notícia.

Segundo a matéria do New York Post censurada nestas plataformas de redes sociais, o então vice-presidente dos Estados Unidos durante o governo de Barack Obama e hoje candidato democrata Joe Biden, foi apresentado pelo seu filho, Hunter Biden, ao diretor executivo da empresa de energia ucraniana Burisma Holdings, de nome Vadym Pozharskyi.

Menos de um ano depois de ter contato com este executivo, o então vice-presidente norte-americano Joe Biden passou a pressionar e fazer lobby junto ao Governo da Ucrânia para demitir um promotor daquele país que investigava a Burisma Holdings.

A reportagem do New York Post revela também que a reunião entre Joe Biden e Vadym Pozharskyi, que nunca havia sido revelada antes, foi mencionada em uma mensagem de agradecimento que o próprio Vadym Pozharskyie enviou a Hunter Biden em 17 de abril de 2015. A mensagem em seu texto inicial diz:

“Prezado Hunter, obrigado pelo convite para visitar Washington (DC) e por ter me proporcionado a possibilidade de reunir-me com seu pai”.

A mensagem de agradecimento de Vadym Pozharskyie foi enviada um ano após Hunter Biden ter ingressado no conselho de administração da Burisma Holdings com um salário de aproximadamente US$ 50.000 por mês.

A reportagem do New York Post mostra que o conteúdo da mensagem, que pode vista na imagem mais abaixo, contradiz a afirmação feita pelo hoje candidato Joe Biden de que ele nunca teria tratado com seu filho, Hunter Biden, sobre seus negócios no exterior.

A conclusão óbvia que pode ser tirada da reportagem é que Joe Biden mentiu como candidato e, como vice-presidente, agiu ilegalmente como lobista em favor de uma empresa estrangeira que recompensou esse lobby concedendo a seu filho, Hunter Biden, um emprego de cinquenta mil dólares mensais.

Redes sociais twitter e facebook impõem censura à reportagem
Segundo o New York Post, a conta principal do jornal no twitter foi bloqueada na quarta-feira (14/10) após o recebimento de um email da plataforma alegando que o artigo sobre as mensagens obtidas do laptop de Hunter Biden supostamente quebraria as regras da rede social contra distribuição de material supostamente hackeado.

O twitter também impediu que os usuários compartilhassem o link do New York Post, classificando o link de potencialmente prejudicial. Por sua vez, o facebook anunciou que havia deliberadamente reduzido o alcance da matéria em seu algoritmo, sob a alegação de necessidade de verificação da veracidade do conteúdo por agências de fact checking.

A verdade é que foi descoberto um escândalo de corrupção e lobby em favor de empresa estrangeira praticados por um ex-vice-presidente norte-americano que agora é candidato a presidência, Joe Biden. Pela legislação dos Estados Unidos, tanto Joe Biden quanto seu filho Hunter Biden podem ir para a cadeia por conta desses crimes.

As plataformas de redes sociais como facebook e twitter estão censurando a divulgação da matéria do New York Post para impedir que o grande público tome conhecimento desse escândalo, e ao mesmo tempo para proteger um candidato de esquerda corrupto e lobista que pretende governar os Estados Unidos da América.  Colaboração Angelica Ca e com informações de New York Post, Summit News e Washington Examiner.


Imagem


Crítica Nacional Notícias:


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE