por paulo eneas
Os atos de violência criminosa e covarde praticados na noite deste sábado (14/11) pelos delinquentes dos grupos terroristas e racistas Antifa e Black Lives Matter em Washington (DC), nos Estados Unidos, podem ser uma amostra do futuro sombrio reservado aos norte-americanos na hipótese de a fraude eleitoral consolidar-se e o pedófilo comunista Joe Biden assumir a Casa Branca.

Agindo em bando, como normalmente ocorre, os delinquentes do Antifa e Black Lives Matter atacaram com violência física desmedida crianças, idosos e mulheres, bem como qualquer pessoa que exibisse apoio a Donald Trump. Os atos de agressão começaram ao final da marcha que reuniu cerca de um milhão de pessoas na capital norte-americana, que protestaram contra as fraudes eleitorais.

A violência desmedida praticada pelos delinquentes foi facilitada pela omissão igualmente criminosa da polícia da cidade, comandada pela prefeita Muriel Bowser, uma esquerdista do Partido Democrata cujo último grande feito relevante para a cidade foi em julho deste ano, quando a prefeitura decidiu renomear uma rua em frente à Casa Branca, que passou a chamar-se Black Lives Matter Street.

As imagens e vídeos dos criminosos Antifa e Black Lives Matter agredindo fisicamente as pessoas nas ruas, especialmente as pessoas brancas, circularam o mundo e muito possivelmente causaram perplexidade a uma parcela da população americana que não percebeu ainda que seu país vem sendo tomado de assalto, literalmente, pelos inimigos comunistas e globalistas, vistos pelos mais ingênuos como sendo apenas “progressistas”.

A violência ocorreu no mesmo momento em que, confiantes na consolidação da fraude e na impunidade do crime que cometeram, Joe Biden e Kamala Harris passaram a falar em união nacional e em “curar” a America. O mais provável é que esta cura seja a mesma que Joseph Stalin oferecia aos milhares daqueles desafortunados que foram enviados aos gulags siberianos.

Dentre as imagens de violência exibidas, uma das que mais impactou, e que reproduzimos abaixo, mostra um homem sendo derrubado no chão pelos criminosos do Antifa e Black Lives Matter e sendo em seguida chutado e pisoteado, mesmo estando visivelmente desfalecido.

Tão abjeta quanto à violência em si, é aquilo que ela revela: parte da America adoeceu moralmente. Adoeceu por estar há meses assistindo passivamente esses mesmos delinquentes e criminosos praticarem atos de destruição de propriedades, demolição de patrimônios históricos, ataques a Igrejas, agressões físicas a pessoas e até mesmo assassinatos.

A despeito disso, parcela expressiva dos norte-americanos votaram em um candidato presidencial, Joe Biden, que durante toda a campanha recusou-se a condenar o Antifa ou Black Lives Matter, uma vez que esses dois grupos terroristas têm ligações claras e sabidas com o Partido Democrata.

Esse pano de fundo transforma os atos de ontem em um sinal claro a respeito do rumo que a maior potência do mundo está tomando. Um rumo que pode significar a projeção de um futuro sombrio para a America.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE