por angelica ca e paulo eneas
Milhares de manifestantes saíram às ruas de Berlim nesta quarta-feira (18/11) para protestar contra as medidas draconianas aprovadas pelo parlamento alemão destinadas supostamente a combater o vírus chinês. As medidas constam de uma lei autoritária, que na prática institui um quase Estado de exceção, e foram aprovadas no ambiente de narrativas mentirosas sobre a suposta segunda onda da pandemia.

Os manifestantes carregavam cartazes mostrando líderes políticos alemães, incluindo a chanceler Angela Merkel, em uniforme de prisão trazendo uma inscrição com a palavra “culpada”. Outros cartazes diziam “Queremos nossas vidas de volta”, e outros mandavam o governo vigiar os bancos, não os cidadãos. Outros cartazes denunciavam as mentiras em torno da pandemia e condenavam as vacinações forçadas.

A lei draconiana aprovada pelo parlamento alemão, de nominada Lei de Proteção contra Infecções, concede super poderes ao governo para determinar regras de distanciamento social, exigir máscaras em público e fechar lojas e outros locais. A lei também permite ao governo restringir consumo de álcool em público e interromper de eventos esportivos, entre outras medidas cerceadoras das liberdades civis dos alemães.

O protesto que se seguiu em Berlin logo após a provação da lei foi violentamente reprimido pela polícia, que usou canhões de água e spray de pimenta para dispersar os manifestantes, como pode ser visto vídeo abaixo. Imagens mostram manifestantes resistindo à repressão usando guarda-chuvas contra os jatos de água lançados pela polícia em pleno início de inverno europeu.

A violência da repressão e o caráter ditatorial e draconiano da lei, que permite até mesmo que a polícia venha invadir casas de pessoas a pretexto da pandemia do vírus chinês, corroboram o que estamos afirmando aqui no Crítica Nacional: o Ocidente entrou este ano em uma espiral de autoritarismo, marcada por ataques diretos à liberdade e à democracia no encalço da pandemia do vírus chinês, disseminada que foi para esta finalidade.

Estes ataques são promovidos pelos mesmos dirigentes políticos globalistas, que nunca esconderam sua ambição de promover uma Nova Ordem Mundial, e que para isso contam com o apoio e o endosso do movimento revolucionário, colocado a serviço destes globalistas para este propósito. Os ataques às liberdades individuais tendem a prosseguir em todo o Ocidente e narrativa mentirosa sobre segunda onda do vírus foi talhada para este fim. Informações de EuroNews, Indian Express e USNews.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE