por paulo eneas
O proto-ditador tucano paulista João Doria anunciou nesta quinta-feira (10/12) o início da produção de sua vacina chinesa pelo Instituto Butantan, que inclusive contratou novos funcionários para a tarefa. A produção será iniciada à revelia das autoridade nacional de saúde, o Ministério da Saúde, e sem a autorização da Anvisa. O governador também anunciou que onze estados firmaram contratos com o instituto para a compra do suposto imunizante.

O anúncio foi mais uma demonstração de poder por parte do governador, e revela a total falência da autoridade da União Federal em assuntos relativos à pandemia. Os estados, especialmente o Estado de São Paulo, têm agido como entes soberanos e têm tomado as decisões que bem entendem por meio de negociação com países estrangeiros e criação de planos de vacinação, como se não houvesse autoridade nacional de saúde no país.

E parece de fato não haver: a lerdeza e tibieza do próprio Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o erro do governo federal que acatou decisão judicial inconstitucional que retirou do governo central as prerrogativas para tratar da pandemia em âmbito nacional resultaram nesse quadro de completa anarquia institucional.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE