por paulo eneas
O Congresso dos Estados Unidos iniciou às 15h (horário brasileiro) desta quarta-feira (06/01) a sessão conjunta da Câmara dos Representantes e do Senado Federal que irá fazer a apuração oficial dos votos dos colégio eleitoral e proclamar quem será o próximo presidente dos Estados Unidos. A sessão é presidida por Mike Pence, vice-presidente do país e que, conforme determina o texto constitucional norte-americano, também preside o Senado e o Congresso.

A sessão foi iniciada com apuração e certificação dos votos do estado do Alabama, que conferiu 12 votos em favor da chapa Donald Trump/Mike Pence. Em seguida, na ordem alfabética, foi a vez do estado do Arizona e, conforme esperado, dois congressistas republicanos apresentaram objeção: o deputado Paulo Gosar e o senador Ted Cruz. Após a leitura formal da contestação, Mike Pence suspendeu a a sessão do Congresso para que as duas casas reúnam-se separadamente para deliberar sobre a contestação apresentada.

Após a decisão de Mike Pence de encaminhar a contestação para para cada uma das duas casas, a advogada Sidney Powell reagiu de forme virulenta e acusou Pence de covarde e traidor. Isto porque um pouco antes, Mike Pence havia afirmado que Constituição dos Estados Unidos não confere a ele, Mike Pence, a poder de decidir sozinho sobre as contestações apresentadas.

Ocorre que existem interpretações distintas entre juristas a este respeito: uma corrente avalia que Mike Pence possui de fato a prerrogativa de decidir monocraticamente sobre as contestações, de modo que havia a expectativa de parte dos apoiadores de Donald Trump de que Mike Pence procedesse desta maneira. Ao encaminhar a contestação para ser dirimida por cada uma das casas legislativas, Pence frustrou este segmento.

Donald Trump também reagiu à decisão de Pence, afirmando que faltou ao vice-presidente a coragem para fazer o deveria ser feito: proteger a Nação e a Constituição norte-americana e devolver aos Estados a possibilidade de dirimir os questionamentos sobre a legalidade dos votos.

A sessão conjunta do Congresso será retomada às 17hs. A expectativa é que a objeção em relação ao estado do Arizona seja rejeitada pela Câmara dos Representantes, onde os democratas são maioria, e aprovada no Senado, onde os republicanos são maioria. No entanto, existe o risco de a objeção ser também rejeitada no Senado por conta da traição de uma ala republicana que está em franca hostilidade com Donald Trump.

O encaminhamento a ser dado por Mike Pence para a contestação aos votos do Arizona determinará o tom a ser seguido nas novas contestações que serão feitas durante a sessão. A previsão é que outros seis estados também terão seus votos contestados e, para cada um deles, o rito adotado será o mesmo. Desta forma, é bastante provável que a sessão não seja concluída ainda hoje.



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE