por paulo eneas
A pandemia do vírus chinês é também uma guerra desinformação, que está custando a vida de milhares de pessoas para atender interesses geopolíticos de regime de ditadura e interesses econômicos da grande indústria farmacêutica. Desde o início da pandemia descobriu-se empiricamente que uso off-label de medicamento como azitromicina, ivermectina e hidroxicloroquina é eficaz tanto na profilaxia quanto para o tratamento precoce da covid.

Esta descoberta salvou e vem salvando a vida de milhares de pessoas no mundo inteiro. Cidades que adotaram tanto a profilaxia com estes medicamentos, quanto o protocolo de tratamento preventivo precoce usando estes mesmos medicamentos, como Porto Feliz (SP) e Mirandópolis (SP), reduziram quase a zero o números de óbitos devido à covid. Outras cidades do mundo inteiro tiveram experiência semelhante.

Médicos e pesquisadores de renome internacional, como os brasileiros Dra. Nise Yamaguchi, Dr. Paolo Zanotto, Dr. Paulo Olzon, o agora saudoso Dr. Anthony Wong, o francês Dr. Didier Raul, o norte-americano de origem ucraniana Dr. Vladimir Zelenko entre inúmeros outros, atestaram e testemunharam a eficácia do tratamento precoce da covid, mostrando assim que a doença é tratável e curável em seus estágios iniciais.

Um estudo publicado na edição de janeiro deste ano na revista científica American Journal of Medicine, e que pode ser visto neste link aqui, traz um apanhando amplo dos resultados obtidos com medicamentos distintos no tratamento dos diversos estágios da doença da covid, e mostra os resultados positivos da hidroxicloroquina nos estágios iniciais.

O fato é que a existência de profilaxia e tratamento precoce para a covid por meio do uso off-label de determinados medicamentos não estava nos planos dos agentes geopolíticos, especialmente o Partido Comunista Chinês e seus prepostos em vários países do mundo, e da indústria farmacêutica, que instrumentalizaram a pandemia parar fins políticos.

Por esta razão estes medicamentos e o próprio tratamento precoce passaram ser demonizados por um segmento da classe médica e por toda a grande mídia, que passou a mentir para a população, afirmando que não existe tratamento precoce para a covid. Esta mentira criminosa foi disseminada ao longo de toda a pandemia e acentuou-se após a decisão da Anvisa de autorizar o uso da vacina chinesa, a despeito de não haver evidência alguma de sua eficácia e segurança.

O fato de a grande mídia estar propagando a mentira de que não existe tratamento precoce para a covid constitui-se ao nosso ver em um crime que tem que ser investigado e punido.

O protocolo de tratamento precoce foi incorporado, ainda que tardiamente, nas recomendações oficiais do Ministério da Saúde do Brasil para o enfrentamento à covid, e passou a fazer parte das diretrizes do Governo Federal para o enfrentamento à pandemia.

Quando a grande imprensa mente afirmando não existir tratamento precoce para a covid, ela está atentando contra a vida da população em um contexto de emergência nacional de saúde. Cabe portanto ao poder público, incluindo o Ministério da Justiça, o Ministério Público Federal e demais órgãos do Estado tomar as medidas legais necessárias contra esta desinformação criminosa atentatória à saúde da população.



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE