por paulo eneas
A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alvas, anunciou na tarde desta sexta-feira (29/01) em sua conta no Twitter um certo concurso de Máscaras Pequenos Heróis Contra o Vilão Coronavírus, destinado a incentivar crianças a aceitarem a imposição do uso de máscaras para supostamente combater o vírus chinês. A iniciativa é um despropósito sem fim, e não faz sentido algum por uma série de razões:

1) Em primeiro lugar cabe questionar o que uma iniciativa desta natureza tem a ver com as atribuições institucionais do Ministério dos Direitos Humanos. A ministra não esclareceu esse ponto em sua mensagem.

2) É sabido que crianças estão entre o setor da população menos susceptível a desenvolver a covid. Portanto, qual a razão incentivar crianças a aceitar a imposição das máscaras?

3) Não há evidência científica alguma de que máscaras de pano usadas por adultos que não são profissionais de saúde e fora de ambientes hospitalares tenha alguma eficácia contra o coronavírus. Se o uso generalizado de máscaras por adultos já é largamente questionado, por que o Ministério dos Direitos Humanos pretende incentivar este uso em crianças?

4) Existem iniciativas de parlamentares da base governista para aprovar projeto de lei banindo a obrigatoriedade do uso generalizado de máscaras fora de ambientes hospitalares. Por que razão então a Ministra Damares Alves toma um iniciativa que, além de não ter base científica alguma, está na contramão da atuação da base política do governo em relação a este tema?

5) Em sua mensagem na rede social, a ministra afirma que o incentivo ao uso de máscaras por crianças serve para “fortalecer os vínculos entre pais e filhos”. Que evidência material tem ministra, e que estudos corroboram esta evidência, de que obrigar uma criança a usar máscara irá fortalecer o vínculo desta criança com seus pais?

As crianças já estão entre as mais prejudicadas por conta das medidas irracionais tomadas por governadores e prefeitos a pretexto da pandemia, como a interrupção das aulas presenciais nas escolas, privando as crianças e adolescentes não apenas do aprendizado regular como do convívio com colegas da mesma faixa etária.

Já não bastasse esta punição imposta às crianças por medidas autoritárias e sem base científica adotadas por governantes locais, por que razão pretende-se agora punir ainda mais as crianças obrigando-as a usar máscaras?

Por fim, é preciso lembrar que a imposição do uso generalizado de máscaras não tem qualquer relação com medidas de eficácia comprovada na prevenção do coronavírus. Trata-se, outrossim, de mecanismo de controle social e comportamental, como de resto o são praticamente todas as medidas adotadas a pretexto de combater a pandemia.

É espantoso, portanto, que a chefe de um órgão do Governo Federal ocupado de assuntos de direitos humanos tome uma iniciativa cujo efeito concreto é treinar crianças para aceitar imposições irracionais de controle social.

Ao adotar uma iniciativa que a rigor explora a inocência das crianças, o Ministério dos Direitos Humanos está simplesmente agindo como linha auxiliar de políticas globalistas e autoritárias de controle social e indução comportamental, políticas estas que estão na contramão das diretrizes centrais do Governo Bolsonaro.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE