por paulo eneas
A histeria criada pela grande imprensa, e que enredou determinados círculos liberais, em torno da mudança na direção da Petrobras determinada pelo Presidente Bolsonaro está ancorando-se em grande parte na armadilha semântica representada pelo uso da expressão “interferência”.

Fala-se em suposta interferência na estatal com o mesmo tom que esta mesma grande imprensa desinformante fala em “interferência” do Chefe de Estado na Polícia Federal. Em outras oportunidades, a imprensa chegou até ao absurdo de falar em “interferência” do presidente em ministérios do próprio governo e que são, por óbvio, subordinados ao presidente.

O fato é que esta armadilha semântica serve para criar narrativas convenientes e ignora o fato básico: se existe uma estatal petrolífera, é prerrogativa da Presidência da República definir as diretrizes desta estatal, incluindo determinar quem são seus dirigentes. Se assim não for, então não há porque existir uma empresa estatal.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE