por camila abdo
O Ministério Público Federal denunciou na última sexta-feira (26/02) oito servidores da área de saúde do município de Carapebus (RJ) além de três empresários, por fraude licitatória e superfaturamento na contratação e montagem do hospital de campanha da cidade destinado ao atendimento a pacientes do vírus chinês.

Foram denunciados o secretário de Governo , Eduardo Nunes Cordeiro, o secretário de Saúde, Leonardo Sarmento Charles, o gestor do Fundo Municipal de Saúde, Phelippe Rocha Nogueira, o diretor do Pronto Atendimento Carlitos Gonçalves, Nélio Fernando Fonseca, e o coordenador do almoxarifado da Secretaria de Saúde, Manoel de Paula Neto.

A investigação revelou que os servidores públicos denunciados forjaram o processo de dispensa de licitação para montagem do hospital de campanha, com o objetivo de beneficiar a empresa Talimaq Construtora Ltda, de propriedade do empresário Robson Santos Ribeiro.

A empreitada criminosa contou com a contribuição de Matheus da Silva Lima, proprietário da Planning Empreendimentos e Serviços Eireli ME, e de Ramon Tadeu França, funcionário da Talimaq e dono da empresa Mecafort Consultoria Especializada, que apresentaram propostas de preço dentro do procedimento de dispensa.

A Prefeitura de Carapebus pagou R$ 1.352.698,00 pela montagem e manutenção do hospital de campanha pelo prazo de três meses. Perícia realizada pela Polícia Federal apontou um superfaturamento total de R$ 763.395,48, por meio da prática do sobrepreço na estimativa do preço e pela substituição de itens da planilha por outros de valor inferior. Informações do website oficial do Ministério Público Federal.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE