por camila abdo
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, quando atuava como secretário estadual do Meio Ambiente em São Paulo, na gestão de Geraldo Alckmin, havia sido acusado no ano de 2016 de improbidade administrativa por conta de uma suposta alteração do plano de manejo da várzea do Rio de Tietê.

Segundo a acusação, a suposta alteração teria beneficiado determinadas empresas. No julgamento da ação nesta quinta-feira (04/03), o Tribunal de Justiça de São Paulo absolveu o Ricardo Salles, com quatro favoráveis e um voto contrário da câmara que analisou o caso.

Junto com o ministro, a  Federação das Indústrias do Estado de São Paulo também foi absolvida no processo, por unanimidade. O ministro havia sido condenado em primeira instância em dezembro de 2018 e em seguida recorreu ao Tribunal de Justiça do Estado, que agora deu ganho de causa ao ministro.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE