por angelica ca e paulo eneas
O proto-ditador tucano João Doria é o único Governador de Estado que proíbe a realização de Missas e cultos religiosos por conta da pandemia do vírus chinês. O governador tucano paulista apoia-se no entendimento do Supremo Tribunal Federal, que decidiu na semana passada que Estados e municípios podem vetar a realização da cultos religiosos por conta da crise sanitária.

No Estado de Minas Gerais os cultos religiosos estão permitidos, exceto na capital, Belo Horizonte, onde o prefeito Alexandre Kalil (PSD) resolveu não seguir a determinação do governo estadual e proibiu por tempo indeterminado a realização de Missas e cultos religiosos.

A grande imprensa retrata a proibição efetiva de missas e cultos fazendo referência à Missa ou culto “presencial”, o que representa um cinismo. Pois Missa e culto só existem com a presença física dos fiéis, e não reconhecer este fato equivale a negar realidade de que a religião está sendo perseguida pelo direito positivo em nome de uma pseudociência.

Leia também:
A Liberdade de Culto Religioso É O Bem Supremo


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE