por paulo eneas
Segundo o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a culpa pela disseminação do vírus chinês é do próprio povo brasileiro. Durante evento com prefeitos realizado nesta terça-feira (20/04) o ministro Marcelo Queiroga afirmou:

“Se a população estivesse usando máscaras, mantendo o distanciamento, evitando aglomerações, se tivesse um programa de testagem mais adequado, isolamento dos casos positivos e dos seus contactantes, se fizéssemos a disciplina dos transportes urbanos, e para o funcionamento dos setores estratégicos, os senhores podem ter certeza que não estaríamos vivendo o momento que estamos vivendo hoje.”

Ou seja, para o ministro da Saúde, a culpa pela eclosão da pandemia é da população que “teima” em ir trabalhar e pegar ônibus, metrôs e trens em horários de pico para ir ao trabalho (os que ainda têm emprego) para garantir o sustento próprio e de suas famílias, em vez de ficar em casa morrendo de fome e sem ter como pagar as contas.

A fala abjeta do ministro não se distingue em nada dos discursos cínicos do tucano João Doria e de outros governantes esquerdistas que estão fazendo justamente aquilo que Marcelo Queiroga preconiza: trancar a população em casa, inviabilizar o uso de transporte público, e impedir o funcionamento da economia por meio de lockdowns e fechamentos.

Ocorre que todas estas medidas não impediram, como de fato não impediriam (pelo contrário, colaboraram para) a disseminação do vírus, o que mostra o quão falaciosa e desprovida de qualquer validade científica é a fala do  ministro Marcelo Queiroga.

A fala do ministro também está na contramão de tudo o que seu chefe, o Presidente Bolsonaro, afirmou e vem afirmando desde o início da pandemia, a saber: que o enfrentamento ao vírus chinês deveria ser feito sem o sacrifício da economia e das liberdades e direitos fundamentais.

Marcelo Queiroga fala como se fosse Secretário da Saúde do tucano João Doria ou de algum governador petista, e sua conduta à frente do Ministério da Saúde assemelha-se mais a de um Ministro da Saúde do ditador venezuelano Nicolás Maduro ou do presidente argentino Alberto Fernandez.

Além do total e completo desalinhamento com o Presidente da República, a fala do ministro Marcelo Queiroga é eivada de falácias pela ausência de fundamentação científica, pois esconde os reais motivos pelos quais a pandemia do vírus chinês espalhou-se pelo país ceifando milhares de vidas.

Marcelo Queiroga não tem a coragem de dizer que pandemia alastrou-se por que governadores e prefeitos confinaram parte da população dentro de suas casas, fragilizando e debilitando a saúde das pessoas, tornando-as mais vulneráveis ao vírus.

O ministro Marcelo Queiroga não tem coragem de dizer que a pandemia alastrou-se por que o Ministério da Saúde que ele comanda deu orientação médica errada durante meses, instruindo as pessoas a ficarem em casa e apenas procurar médico quando estivessem com falta de ar.

Marcelo Queiroga não tem a coragem de dizer que a ação criminosa de governadores e prefeitos que sabotaram e continuam sabotando o tratamento precoce da covid foi e é a principal responsável pelo elevado número de óbitos.

Marcelo Queiroga não teve estofo para afirmar que a pandemia espalhou-se por que desviaram-se os bilhões de reais enviados pelo Governo Federal a Estados e municípios para enfrentar a pandemia.

Também não teve a coragem de dizer que o alastramento da pandemia deveu-se à submissão do próprio Ministério da Saúde, tanto na sua gestão como nas gestões anteriores, ao lobby da indústria farmacêutica, que enfiou goela abaixo do Governo Federal a “solução” das vacinas, sabendo que elas estão longe de ser a solução, uma vez que são experimentais, de baixa eficácia para a cepa original e de eficácia incerta para as variantes do vírus, além de efeitos colaterais desconhecidos.

O Ministro Marcelo Queiroga foge à verdade, faz afirmações absurdas para agradar a grande imprensa, aos governadores e ao lobby da indústria farmacêutica. Ele ignora as diretrizes do Presidente Bolsonaro, e arremata sua conduta inaceitável por meio de um acinte e um insulto, culpando o povo brasileiro pela desgraça abateu-se sobre o país. O ministro Marcelo Queiroga precisa ser exonerado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE