pela redação
A Polícia Federal executou nesta quarta-feira (19/05) mandados de busca e apreensão, autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, no âmbito da Operação Akuandaba, contra o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A ação surpreendeu a Procuradoria Geral da República, que afirma que não foi consultada e alerta que a ação “pode violar o sistema constitucional acusatório”.

Mais de 160 agentes cumpriram 35 mandados de busca e apreensão na sede do Ministério do Meio Ambiente, na residência de Ricardo Salles em São Paulo (SP), e no Estado do Pará. Segundo a Polícia Federal, o objetivo da ação é apurar supostos crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando que supostamente teriam sido cometidos por agentes públicos e madeireiros.

O ministro Alexandre do Moraes também determinou a quebra dos sigilos fiscal e bancário de Ricardo Salles, além do afastamento preventivo de dez servidores do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis, o Ibama e de funcionários do Ministério do Meio Ambiente. Informações Revista Oeste.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE