por paulo eneas
Em um dos trechos de seu depoimento que está sendo dado nesta terça-feira (25/05) à CPI da Covid no Senado Federal, a Dra. Mayra Pinheiro demonstrou a diferença entre quem conhece assuntos médico-científicos e quem, como a maioria dos políticos e jornalistas, utiliza da retórica da ciência  para outras finalidades.

Em dado trecho de seu depoimento, a Dra. Maya afirma ter refutado artigo da Revista Lancet, a revista médico-científica que era considerada a de maior prestígio no mundo. Esse artigo condenava o uso de medicamentos antivirais para o tratamento precoce da Covid-19.

Duas semanas depois da refutação da Dra. Maya, a Revista Lancet veio a público pedir desculpas à humanidade pelo seu erro criminoso, que consistiu na publicação de um trabalho científico fraudulento envolvendo mais de noventa mil pacientes, repleto de conflitos de interesses e dados falsificados.

Portanto, o fato de uma sociedade científica ou mesmo uma revista internacional publicar determinado entendimento sobre um tema crítico de saúde pública não faz com que o Ministério da Saúde tenha a obrigação de acatar de imediato o que esta sociedade ou revista médica afirma.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE