por angelica ca e paulo eneas
Um novo estudo realizado por cientistas alemães da Universidade de Munique revelou que as medidas draconianas de restrição de liberdade, incluindo os lockdowns e as medidas de proibição de trabalho e de circulação de pessoas, não tiveram efeito na queda de contágios pelo coronavírus na Alemanha.

O estudo vem corroborar o entendimento que vem sendo manifestado por inúmeros epidemiologistas desde o início da pandemia, que afirmam que lockdowns e demais medidas de restrições não impedem que um vírus siga seu percurso de contágio natural durante uma pandemia.

O estudo descobriu que as taxas de infecção já haviam começado a cair na Alemanha antes que um bloqueio nacional fosse imposto em novembro do ano passado. A taxa também caiu em dezembro e abril, quando o bloqueio foi mais restrito, descobriu a pesquisa.

A pesquisa, conduzida por estatísticos da Ludwig Maximilians Munich University, descobriu que a Taxa R do país, que indica o número de pessoas para as quais uma pessoa infectada passa o vírus, já havia caído para menos de 1 antes do bloqueio nacional ser imposto em novembro passado, indicando que as infecções estavam diminuindo.

A informação foi divulgada na semana passada pelo jornal The Telegraph. “As medidas tomadas podem ter um efeito positivo no curso da infecção, mas não são os únicos responsáveis ​​pelo declínio”, escreveram os autores do estudo.

Os cientistas examinaram a Taxa R porque o viram como uma medida mais precisa do que os resultados do teste de Covid-19 para determinar a verdadeira taxa de infecção dentro da comunidade, que era o que o governo alemão estava contando.

Como o valor da Taxa R estava caindo antes do bloqueio nacional ser imposto, os pesquisadores disseram que não podiam afirmar de forma conclusiva que a ordem para permanecer em casa e fechar a economia do país possa ter tido qualquer impacto significativo no controle da pandemia.

“As medidas [de bloqueio] tomadas podem ter um efeito positivo no curso da infecção, mas não são os únicos responsáveis ​​pelo declínio”, escreveram os estatísticos, de acordo com o jornal The Telegraph.

De acordo com o website Summit News, um estudo do Ministério do Interior da Alemanha vazou no ano passando, relevando que o impacto do bloqueio do país poderia acabar matando mais pessoas do que o coronavírus por conta de vítimas de outras doenças graves que não receberiam tratamento. Informações de Zero Hedge | New York Post | Summit News | The Telegraph.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE