por paulo eneas
As cidades paulistas de Araraquara e Bauru decretaram na sexta-feira (18/06) da semana passada novas medidas de restrições de direitos civis a pretexto de enfrentamento da pandemia do vírus chinês.

No caso da cidade de Bauru, a medida adotada pela prefeita Suéllen Rosim, filiada ao partido Patriotas (partido ao qual o Presidente Bolsonaro poderá filiar-se), contrasta com seu posicionamento anterior contrário a estas medidas, posicionamento este que levou a um enfrentamento entre a prefeita e o governador tucano paulista, João Doria, no início deste ano, como mostramos na reportagem Prefeita de Bauru Atacada por João Doria Afirma: Não Sou Negacionista Mas Realista publicada em fevereiro.

Na cidade de Araraquara, as medidas de restrições de direitos civis estão sendo adotadas pela segunda vez. Em em março deste ano, um mês após a decretação do primeiro lockdown, os moradores do município enfrentaram a falta de comida, o que levou o Governo Federal a providenciar a distribuição de alimentos para a população faminta.

Além disso, o prefeito petista da cidade, Edinho Silva, determinou em março deste ano a criação de centros ou alojamentos para pessoas infectadas com o coronavírus. Estes centros, denominados unidades de quarentena, destinam-se a separar pessoas infectadas de seus familiares, conforme mostra reportagem do site Terça-Livre.

As restrições aos direitos civis no município de Araraquara passou a valer a partir deste domingo (20/06) e estende-se até o dia 27 de junho de 2021, e estabelece a proibição de de circulação de pessoas e veículos em vias públicas da cidade, além da proibição de atividades consideradas não essenciais.

Em Bauru, os estabelecimentos comerciais ficam limitados funcionar dentro com até 30% de sua 30% da capacidade de seus ambientes. Bares, lanchonetes e restaurantes somente poderão atender clientes em horários restritos. Nos supermercados, fica proibida a entrada de mais de um membro por família. E para completar o rol de restrições de direitos, os cidadãos poderão ser multados se forem flagrados sem uso de máscara.


Na edição desta sexta-feira (18/06) do Jornal Crítica Nacional comentamos sobre estas medidas de restrições de direitos civis e sobre a não eficácia de medidas de lockdown.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE