por paulo eneas
O deputado federal Luiz Miranda (DEM-DF) possivelmente protagonizou nesta quarta-feira (23/06) uma episódio de denunciação caluniosa contra o Presidente Bolsonaro ao acusar o governo de suposta irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin, produzida pela Bharat Biotech.

A denúncia do deputado foi feita em entrevista ao site O Antagonista e repercutiu enormemente em toda a grande imprensa. No caso de O Antagonista, o blog chegou a acusar o presidente de suposta prevaricação, insinuando que o chefe de governo teria mandado a Polícia Federal suspender investigações sobre o caso.

O deputado Luiz Mirando fez suas denúncias com base em informações que teria recebido de seu irmão, que também é funcionário do Ministério da Saúde, exibindo documentos que supostamente comprovariam a irregularidade.

A principal acusação de Luis Miranda era a de que teria havido superfaturamento na compra das vacinas da Covaxin: o contrato para a compra das vacinas prevê o custo de US$ 15.00 por unidade. Na Índia, o produto é vendido por um valor dez vezes menor.

Governo desmente deputado em entrevista coletiva
Ao final do dia, o governo deu uma entrevista coletiva conduzida pelo Ministro Onyx Lorenzoni. Na entrevista, o ministro-chefe da Secretária Geral da Presidência desmentiu cada uma das acusações, destacando os seguintes pontos:

a) O governo não efetuou ainda nenhum pagamento à empresa Bharat Biotech, fabricante da Covaxin.

b) Não houve superfaturamento: o preço de US$ 15.00 por dose firmado em contrato corresponde ao piso do preço cobrado pela empresa indiana fabricante da Covaxin para exportação de suas vacinas, conforme está informado no próprio website da empresa fabricante, e conforme mostra a imagem mais abaixo.

c) O documento exibindo pela Rede Globo, disponibilizado pelo deputado federal Luis Miranda, possivelmente é um documento falso e não corresponde aos documentos oficiais enviados pela farmacêutica indiana Bharat Biotech, por meio da sua subsidiária encarregada de exportações, a Madison Biotech, ao Ministério da Saúde. O governo irá solicitar à Polícia Federal que faça uma perícia do documento.

d) Foi solicitada a investigação do deputado Luis Mirando por possível crime de denunciação caluniosa e falsificação de documentos.

A imagem abaixo mostra a tabela de preços aplicada pela Bharat Biotech para suas vacinas. Os preços por dose para o mercado interno da Índia estão indicados em rúpias, a moeda indiana. A Bharat vende suas vacinas ao governo indiano por 600 rúpias a dose. Para o mercado externo, as vacinas são vendidas ao preço que varia de US$15.00 a US$20.00 por dose.


O vídeo abaixo mostra a entrevista coletiva do Governo Federal conduzida pelo ministro Onyx Lorenzoni.



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE