por angelica ca e paulo eneas
Doses letais de hidroxicloroquina foram deliberadamente administradas a pacientes com Covid-19 durante ensaios clínicos realizado no Reino Unido em março de 2020, causando a morte de vários destes pacientes, com o objetivo de desacreditar o medicamento.

A denúncia veio a público esta semana no jornal britânico Daily Expose. Esses ensaios foram realizados a pedido de autoridades de saúde da Inglaterra, Irlanda do Norte, País de Gales e Escócia.

No 1º de abril de 2020, o diretor-geral do National Health Service da Inglaterra, Stephen Powis, enviou uma mensagem aos demais diretores da instituição para que tentassem inscrever o maior número possível de pacientes com Covid-19 nesses testes clínicos, que passaram a ser considerados uma prioridade nacional.

A hidroxicloroquina foi um dos medicamentos testados. No estudo denominado recovery, e que pode ser visto neste link aqui, e no estudo remap-cap, foram usadas doses extremamente altas e potencialmente letais de hidroxicloroquina.

Os pacientes receberam 2.400 mg nas primeiras 24 horas de tratamento, com a administração de duas doses 800 em um intervalo de seis horas, seguidas de doses de 400 mg em 12 horas, e posteriormente doses de 400 mg a cada 12 horas com duração de até nove dias.

De acordo com o Professor de Autoimunidade Clínica da Universidade de Cambridge, a overdose de hidroxicloroquina está associada a toxicidades cardiovasculares, neurológicas e outras, que ocorrem em doses acima de 1500 mg, com doses mais altas associadas à morte. Ainda em março de 2020, os cientistas chineses já haviam recomendado uma dose mais baixa e muito mais segura de hidroxicloroquina para uso em pacientes com Covid-19.

Segundo informa o site especializado The BMJ, voltado a profissionais de saúde, o diretor adjunto do ensaio Recovery, Martin Landray, baseou-se na dose utilizada no modelo do professor de medicina tropical da Universidade de Oxford, Nick White.

Ocorre que Nick White participou também de uma consulta informal da Organização Mundial de Saúde sobre o uso da cloroquina no tratamento clínico para Covid-19, juntamente com cinco integrantes da Fundação Bill e Melinda Gates, que está diretamente envolvida no financiamento de vacinas experimentais usadas contra o coronavírus. Informações de BlesMundo | Daily Expose.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE