por angelica ca e paulo eneas
A empresa de tecnologia chinesa Huawei está desenvolvendo um programa chamado Forestry Amazônia para monitorar a floresta brasileira por meio da utilização de imagens de satélite. O programa será baseado em tecnologia de inteligência artificial, e está sendo desenvolvido em parceria com uma certa Enbo Technology. O projeto estará concluído no final de agosto, segundo informou a própria Huawei Brasil em evento na semana passada.

Este projeto, que constitui uma clara e inaceitável ingerência na soberania brasileira por parte de uma empresa controlada pelo Partido Comunista Chinês, conta com a anuência do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), com quem a empresa reuniu-se para tratar do projeto. O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) está envolvido no projeto.

Segundo o próprio parlamentar, a Huawei entrou em contato com ele pedindo uma reunião com o governo estadual: “E eu intermediei, para [a Huawei] apresentar um sistema de monitoramento florestal que vai ajudar muito o estado do Amazonas na preservação do meio ambiente”.

Com o objetivo claro de fincar posições na Amazônia Brasileira, a Huawei tem atuado no sentido de empreender ações de cunhos assistencialista, como a entrega de tablets para escolas municipais do município de Parintins e doação de laboratórios de tecnologia para o Instituto Federal do Amazonas (IFAM).

As ações da chinesa Huawei na Amazônia fazem parte da estratégia geral que o Partido Comunista Chinês adota em quase todo o mundo no sentido de ocupar posições de controle nas áreas de infraestrutura e produção agrícola dos países nos quais a ditadura comunista chinesa possui interesses geopolíticos.

No caso do program Forestry Amazônia, impressiona o fato que uma iniciativa que claramente atenta contra nossa soberania nacional seja empreendida abertamente por uma potência imperialista estrangeira com a anuência de governantes e políticos locais, e sem qualquer manifestação da parte do setor de inteligência e segurança estratégica do governo federal. Informações de Digital Policy Law News.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE