por angelica ca e paulo eneas
Segundo reportagem do jornal Israel National News, publicada na semana passada, as pessoas que contraíram Covid-19 e recuperaram-se da doença têm muito menos probabilidade de serem infectados pela última onda da pandemia do que as pessoas que receberam vacinas contra o coronavírus.

Dados do Ministério da Saúde de Israel sobre a nova onda de infecções que começou em maio deste ano mostram que os israelenses com imunidade natural à infecção tinham muito menos probabilidade de serem infectados novamente, em comparação aos israelenses que haviam sido imunizados por vacinação.

Segundo o jornal, mais de 7.700 novos casos do infecção pelo coronavírus foram detectados durante a onda mais recente iniciada em maio. Deste total, apenas 72 casos foram notificados em pessoas que já sabiam que haviam sido infectadas anteriormente, ou seja, menos de 1% dos novos casos. Por outro lado, aproximadamente 40% dos casos (mais de 3.000 pacientes) envolveram pessoas que haviam sido vacinadas.

Com um total de 835.792 israelenses sabidamente recuperados da Covid-19, as 72 ocorrências de reinfecção equivalem a 0.0086% das pessoas que já haviam sido infectadas com o coronavírus.

No entanto, os israelenses que foram vacinados tinham 6.72 vezes mais probabilidade de serem infectados do que aqueles com imunização natural advinda de infecção prévia: foram mais de 3.000 casos entre os 5.193.499 vacinados, o que corresponde a 0.0578% dos israelenses vacinados, que foram infectados na última onda.

Os números mostram assim um incidência 6.72 vezes maior de casos de infecção pela nova onda entre vacinados do que entre pessoas com imunização natural. Em dezembro do ano passado, Israel começou a administrar vacinas Pfizer-BioNTech a seus cidadãos adultos. Até o final de março deste ano, mais da metade de sua população havia recebido duas doses da vacina. Informações de BlesMundo | Israel National News.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE