por angelica ca e paulo eneas
A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) aprovou a criação de cotas para detentos, ex-presidiários e refugiados. A decisão foi aprovada no final de junho pelo Conselho Universitário. As novas medidas serão adotadas já no próximo vestibular, no segundo semestre. A instituição irá destinar uma vaga em cada curso para este público.

A UFSB já dedica entre 75% a 85% de suas vagas para cotas (o percentual varia de acordo com o curso). A instituição de ensino reserva vagas para negros, pardos, indígenas, quilombolas, ciganos, pessoas com deficiência, mulheres, transexuais, travestis e transgêneros, além de “comunidades identitárias tradicionais”.

A medida mostra o quanto a agenda esquerdista segue avançando em quase todas as áreas da vida pública, apesar de o país ter um governo de direita. Desconhecemos qualquer iniciativa do MEC no sentido de tentar barrar iniciativas como esta. Pelo contrário, exceto por algumas declarações pífias do ministro Milton Ribeiro, o que se observa é a total omissão do ministério a respeito. Informações de Pleno News | Aliados do Brasil Oficial.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE