Um grupo de governadores de dezenove Estados e do Distrito Federal assinou uma carta em que contestam as afirmações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro de que a elevação do preço da gasolina este ano ocorreu devido ao aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado pelos estados.

No documento, os governadores afirmam que não aumentaram o ICMS dos combustíveis nos últimos 12 meses, período no qual a gasolina teve um aumento superior a 40% na ponta do consumidor. A carta assinada pelos governadores não traz nenhuma evidência, documento ou dado verificável que prove que não houve aumento do ICMS neste período.

O Crítica Nacional irá fazer um levantamento rigoroso esta semana, em fontes independentes e confiáveis, para mostrar qual foi a real participação do ICMS no aumento dos preços dos combustíveis ao longo deste ano.

O documento foi assinado pelos seguintes governadores:
Rui Costa (PT-BA)
Claudio Castro (PL-RJ)
Flávio Dino (PSB-MA)
Helder Barbalho (MDB-PA)
Paulo Câmara (PSB-PE)
João Doria (PSDB-SP)
Romeu Zema (Novo-MG)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Mauro Mendes (DEM-MT)
Eduardo Leite (PSDB-RS)
Camilo Santana (PT-CE)
João Azevedo (Cidadania-PB)
Renato Casagrande (PSB-ES)
Wellington Dias (PT-PI)
Fátima Bezerra (PT-RN)
Renan Filho (MDB-AL)
Belivaldo Chagas (PSD-SE)
Reinaldo Azambuja (PSDB-MS)
Ibaneis Rocha (MDB-DF)
Waldez Goés (PDT-AP)


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE