por paulo eneas
O empresário Otávio Fakhoury, ativista e vice-presidente do PTB-SP, presta depoimento nesta quinta-feira (30/09) na CPI da Pandemia do Senado Federal. O empresário foi convocado pela comissão há apenas dois dias, conforme ele relatou em declaração à imprensa dada logo no início da manhã, antes de dirigir-se à sala da comissão.

Um dia antes, o ministro Antônio Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, atendeu a um pedido de habeas corpus feito pela defesa de Otávio Fakhoury, assegurando ao depoente do direito de permanecer calado, se desejar, bem como de comunicar-se com seus advogados durante o depoimento, e que “não poderá ser submetido a qualquer medida privativa de liberdade ou restritiva de direitos em razão do exercício de tais prerrogativas”.

Toda a velha imprensa descreve o empresário como suposto financiador de “sites de fake news”, em uma das mais sórdidas campanhas de difamação e de assassinato de reputações de toda a história da imprensa nacional.

Esta demonização permanente praticada pela velha imprensa vem somar-se ao esforço que existe de banir a expressão de qualquer pensamento ou opinião que seja divergente da narrativa única imposta a respeito de qualquer assunto relativo à pandemia do vírus chinês.

Iniciadas as perguntas, os senadores mantêm a estratégia de não permitir ao depoente desenvolver plenamente a resposta às perguntas e o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), prossegue na prática de tirar conclusões enviesadas das respostas apresentadas.

A sessão foi interrompida por alguns minutos em dado momento após intervenção de um dos advogados, que protestou contra a forma pela qual os trabalhos estão sendo conduzidos.



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE