por paulo eneas
A revelação ao público da identidade de uma fonte do jornalista Allan dos Santos, do Terça Livre TV, representa uma grave ameaça ao exercício do jornalismo profissional livre e independente no Brasil. Os diálogos entre o jornalista e sua fonte, uma ex-estagiária do poder judiciário, veio a público a partir de um relatório da Polícia Federal que foi divulgado pelo jornal Folha de São Paulo.

Ao expor levianamente a fonte do jornalista Allan do Santos e trata-la como “informante” ou “espiã”, a velha imprensa atinge ela mesma um dos pilares da atividade jornalística independente: o compromisso de sigilo e confidencialidade entre o jornalista e sua fonte. A garantia deste sigilo está prevista inclusive no texto da Constituição Federal.

Os jornalistas da velha mídia que estão celebrando esta quebra de sigilo de fonte e anunciando a relação entre Allan dos Santos e sua fonte como sendo de natureza supostamente ilícito, o fazem em primeiro lugar movidos unicamente por razões político-ideológicas.

Ao mesmo tempo, estes jornalistas da velha mídia parece não perceberem que ao agirem desta forma estão sinalizando para suas próprias fontes que eles, estes jornalistas, não têm compromisso algum com este sigilo que lhes é assegurado pelo próprio texto constitucional.

Cabe perguntar que segurança passa a ter agora a fonte de qualquer jornalista da Folha de São Paulo ou de O Antagonista, ao perceber que estes veículos estão celebrando um fato que mais tarde poderá atingir eles próprios e suas respectivas fontes, quebrando assim uma relação de confiança recíproca que deveria em tese existir.

Este episódio, e o comportamento da velha mídia em relação a ele, é indicativo do grau de estrangulamento institucional a que o país chegou.

Um grau de estrangulamento em que uma série de pressupostos tidos até então como garantias sólidos e inabaláveis do exercício da liberdade de expressão e de informação foram sendo paulatinamente derrubados. E seguem sendo derrubados diante do aplauso e e regozijo dos principais veículos da velha mídia nacional.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE