O senador Renan Calheiros (MDB-AL) apresentou nesta terça-feira (19/10) seu relatório aos demais integrantes da CPI da Pandemia, do Senado Federal. O documento com quase 1.200 páginas propõe o indiciamento de 72 pessoas, entre elas o Presidente da República, ministros e ex-ministros, militares, assessores e ex-assessores do presidente, além de parlamentares, empresários, jornalistas e médicos.

O relatório propõe o indiciamento do Presidente da República em uma série de supostos crimes, incluindo homicídio qualificado, e faz referência inclusive a tratados internacionais e a um suposto genocídio de indígenas e crimes contra a humanidade. O relatório necessita ainda ser aprovado pela maioria dos integrantes da comissão.

Desde o início dos trabalhos da CPI da Pandemia, havíamos antecipado que o objetivo final da comissão seria tentar incriminar o Presidente da República, o que ficou evidenciado no relatório agora apresentado. Numa demonstração de erro brutal da estratégia política, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou quando da instalação da CPI, que o presidente seria o principal beneficiado com a criação da comissão.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE