por paulo eneas
A preocupação com uma hipotética relação entre as vacinas contra o coronavírus e a AIDS ganhou a atenção da opinião pública nos últimos dias a partir de uma menção feita ao tema pelo presidente Bolsonaro na última quinta-feira (21/10) durantes sua live semanal pela internet. O presidente tomou por base matéria publicada na Revista Exame em outubro do ano passado.

Citando a revista médica britânica The Lancet, a matéria da Revista Exame afirma que “algumas vacinas que usam um adenovírus específico no combate ao vírus SARS-CoV-2 podem aumentar o risco de que pacientes sejam infectados com HIV, o vírus da Aids”. A menção ao tema por parte do presidente Bolsonaro gerou críticas e reações.

O Dr. Francisco Cardoso veio a público esclarecer a questão em uma publicação em sua rede social. Nela, o Dr. Francisco explica que a pesquisa para uma vacina contra o coronavírus que era realizada na Austrália em 2020 foi suspensa após constatar-se que os voluntários apresentavam um teste falso positivo para o HIV. Isto é, as pessoas exibiam teste positivo para o HIV ainda que não estivessem contaminadas pelo vírus da AIDS.

O teste falso positivo ocorria por que a vacina experimental que estava sendo pesquisada utilizava fragmento de uma glicoproteína do HIV, denominada gp41, para fins de estabilização do imunizante.

A presença desta glicoproteína no corpo é detectada pelos kits de diagnóstico de HIV. Todos os voluntários foram pesquisados e não foi constatada a presença do HIV nem estavam com a doença da AIDS, mas apenas com o marcador gp41 no sangue, oriundo da vacina experimental. Este fato levou ao fim dos testes com aquele projeto de vacina.

Em sua publicação na rede social, o D. Francisco Cardoso criticou a maneira pela qual sociedades médicas trataram o tema, não informando a população com a clareza devida, e também criticou a falta de assessoria apropriada ao Presidente da República, que deveria ser dada pelo seu ministro da Saúde, para evitar que este tema fosse abordado de modo inapropriado, gerando confusão.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE