por paulo eneas
Os últimos três anos no Brasil assistiram a uma metamorfose no movimento político de viés conservador surgido no país em torno de 2013. Para além do antipetismo de então, o motor deste movimento consistia na defesa de determinadas pautas que eram seu traço característico.

Defendia-se de modo intransigente a liberdade, apoiava-se o endurecimento de leis penais para o combate à criminalidade, denunciava-se e combatia-se o proselitismo político-ideológico de esquerda em sala de aula, por meio da iniciativa do Escola sem Partido.

O movimento combatia a exposição de crianças e adolescentes a temas sexuais adultos  via ideologias identitárias. O voto impresso e a transparência pública no processo eleitoral estavam na ordem do dia, assim como o direito à legítima defesa e o acesso legal a armas.

A denúncia permanente do Foro de São Paulo e a defesa da soberania nacional presente no movimento contrário à Nova Lei de Imigração estavam igualmente no centro das preocupações daquele movimento político de viés conservador.

Havia também a preocupação de se encontrar meios legais de romper-se com o monopólio nos meios de comunicação de massa, especialmente a televisão, e a hegemonia de narrativas em termos de guerra cultural e indução comportamental dele decorrentes.

Passados três anos desde o início do atual governo, essas pautas simplesmente desapareceram do horizonte de referência daquele movimento, que passou em grande parte a defender aquilo que antes condenava e criticava, como a expansão de programas sociais de viés assistencialista.

O movimento passou a fechar os olhos para medidas e leis que implicam em agressão a liberdades e garantias fundamentais, como a Lei 13.979 ou a lei que institui a semana feminista na educação infantil. As restrições à liberdade que se observa hoje são igualmente ignoradas em nome de um certo pragmatismo que se traduz na indiferença em relação a tudo que se defendia antes.

O Brasil hoje assiste ao avanço das pautas da esquerda nas políticas públicas, o país faz concessões abertas à agenda globalista ocidental que afeta nossa soberania e nossa capacidade de nos desenvolver como nação de fato independente e o regime ditatorial chinês tem uma presença cada vez mais ostensiva em áreas críticas da vida nacional.

As pautas que outrora serviram de combustível para o nascente movimento conservador brasileiro não apenas foram deixadas de lado, como substituídas pela defesa de suas antípodas. Hoje celebra-se a expansão do assistencialismo estatal sob o lema de que cabe ao Estado “cuidar das pessoas”, o mesmo mote empregado anos atrás pela ex-presidente petista.

Celebra-se hoje o fato de o país ter uma legislação ambiental que é um entrave ao seu desenvolvimento econômico, e esta legislação é exibida nos fóruns internacionais com orgulho e ufanismo próprios de quem padece do complexo de vira-latas, em uma autêntica e vergonhosa prestação de contas da nossa submissão às imposições da agenda globalista.

O país retrocedeu na construção de um projeto de Nação de fato livre e soberana. Retrocedeu no projeto de construir-se uma governança nacional baseada nos valores mais caros à maioria do povo brasileiro, em especial na defesa de fato da família, da propriedade e da liberdade. Um retrocesso que somente poderá revertido anos adiante de nosso futuro incerto.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar:

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE