por paulo eneas
O presidente Jair Bolsonaro confirmou em entrevista na manhã desta terça-feira (09/11) ao Jornal da Cidade Online que irá filiar-se ao Partido Liberal (PL), chefiado por Valdemar Costa Neto, para disputar a reeleição no ano que vem. A sigla é um dos partidos que formam o bloco fisiológico do Centrão que hoje ocupa as principais posições no governo federal.

A decisão do presidente de filiar-se ao PL ocorre após entendimento com o Progressistas (PP), outro partido do Centrão, que tem em Ciro Nogueira, ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, seu principal comandante e chefe. O PP possivelmente indicará o nome do vice-presidente para formar chapa com o presidente Bolsonaro. O próprio Ciro Nogueira é cogitado, assim como o ministro das Comunicações, Fábio Faria.

Ainda em 2018, antes de decidir-se pelo PSL, o então pré-candidato Jair Bolsonaro havia declarado que jamais iria associar-se a corruptos condenados no Mensalão, referindo-se ao próprio Valdemar da Costa Neto, como pode ser visto no vídeo abaixo e também nesta nesta  mensagem aqui publicado no twitter do então pré-candidato Bolsonaro:



A definição da opção partidária do presidente vem acompanhada do esforço excepcional do governo e do Centrão para a aprovação da PEC dos Precatórios, que precisa ser chamada mais corretamente de PEC da Reeleição. Ainda nesta segunda-feira (08/11) o deputado Ricardo Barros (PP-PR) publicou mensagem na rede social informando a presença de mais de mil prefeitos em Brasília (DF) nesta terça-feira para pressionarem pela aprovação desta emenda constitucional.

A mobilização explica-se pelo fato de a aprovação da PEC dos Precatórios abrir espaço para a ampliação dos programas assistencialistas do governo federal, programas estes que historicamente sempre foram o principal combustível para a base eleitoral dos parlamentares e das lideranças políticas locais do Centrão, inclusive durante a era petista. Será uma forma de clientelismo turbinado.

Portanto, do ponto de vista estritamente eleitoral, independentemente do resultado do pleito presidencial, o Centrão sairá como principal beneficiário da ampliação destes programas, que terá como consequência o crescimento das bancadas destes partidos nos Congresso Nacional.

Nesse sentido, a estratégia atualmente adotada pelo governo de fazer suas apostas políticas em cima da ampliação do assistencialismo estatal, terá como consequência a partir de 2023 a presença no parlamento de mais parlamentares eleitos não necessariamente em cima de uma agenda programática, mas em decorrência de um tipo de clientelismo que a direita e os conservadores sempre condenaram.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE