por paulo eneas
O debate político nacional, inclusive o debate na direita política, tem sido marcado pela ausência da abordagem das questões relevantes para o país, e está sendo pautado unicamente por temas comezinhos que alimentam diariamente a velha mídia, que distrai seu público com factoides de corredores de palácios enquanto desce um véu de obscuridade sobre os temas que realmente interessam ao presente e ao futuro da Nação, caso ainda tenhamos um.

No campo da direita, a discussão em torno da possível candidatura à reeleição do Presidente da República é feita unicamente à luz das questões partidárias envolvidas, como se elas encerrassem em si os temas relevantes. Não há qualquer preocupação em avaliar-se com frieza as ações governamentais ao longo destes três anos em cotejo com o programa de governo de viés conservador aprovado nas urnas em 2018.

Como a direita não foi capaz de organizar-se em um partido político ao longo destes três anos, toda a discussão desse campo é feita de modo aberto nas redes sociais, o que por si só já denota a ausência de uma compreensão estratégica de como devem ser tratadas as questões de poder, “cuja essência reside no segredo”, como ensina o professor Olavo de Carvalho.

Nessa discussão aberta que ocorre nas redes, importa muito mais aos seus protagonistas o feedback positivo do público em termos de engajamento do que o conteúdo substantivo daquilo que é afirmado.

Desta forma, a reflexão e a análise ficam substituídas pelo meme, pela mitada e pela lacração, sendo que o máximo de conteúdo mais elaborado que a direita consegue criar é mostrar as “incoerências da esquerda”, como se a exibição de suas incoerências fosse derrota-la.

E em meio a lacrações, mitadas, deboche dos adversários e inimigos, e a ausência completa de abordagem e discussão dos reais problemas do país, a direita acredita estar se cacifando e se legitimando ante à sociedade como alternativa de poder político da Nação.

Ignora-se por completo o fato de o governo ter cedido a inúmeras pautas da esquerda, especialmente as pautas identitárias e aquelas de apelo populista-assistencialista, como os absorventes femininos que passarão a ser distribuídos pelo Estado conforme anunciado com entusiasmo pela ministra Damares Alves.

Ignora-se totalmente o fato de o país estar comprometendo sua soberania nacional e sua capacidade de desenvolvimento econômico futuro por meio da adesão a acordos de submissão às agendas ambientalistas dos globalistas ocidentais nos fóruns internacionais, como no caso do G20 e da COP26.

Há uma indiferença espantosa diante da crescente restrição e quase extinção da liberdade de expressão, até mesmo a liberdade de expressão dos detentores de mandatos. Não se dá o devido peso ao fato de as garantias e direitos individuais básicos, como o devido processo legal, terem sido banidos.

O fato de a população, incluindo crianças, estar sendo obrigada a se submeter a uma vacinação compulsória experimental prevista em lei sancionada pelo governo, somente é abordado com a intenção de isentar o governo de qualquer responsabilidade.

Os protagonistas da direita pautam sua conduta unicamente pela defesa intransigente do governo sem nem mesmo admitir que se discutam as ações e eventuais omissões do governo. Qualquer cobrança que seja feita é rechaçada sob o argumento de que aqueles que cobram não sabem o que se passa nos bastidores do poder.

Trata-se de um argumento auto-enganoso, como se houvesse algo nos bastidores que justificasse e avalizasse o estado de inanição institucional em que o país vive. Uma inanição que levou até mesmo a mudança do sistema e do regime de governo para uma forma de semipresidencialismo, conforme reconhecido e admitido explícita e publicamente por um magistrado da suprema corte.

Este argumento auto-enganoso sugere também que o único horizonte presente e futuro a ser oferecido aos brasileiros é o de esperar o menos pior e não um futuro digno como Nação. Abriu-se mão de oferecer esperança para, em vez disso, oferecer-se a resignação. Afinal, se existe alguma coisa ruim o bastante, poderia estar pior. Melhor então agradecer a Deus pelo ruim e não reclamar, pois poderia ser pior.

Pois afirma-se que se não aceitarmos passivamente e com resignação as coisas como estão, responsabilizando sempre os outros pela situação em que o país está, então a situação irá piorar com uma hipotética volta da esquerda ao poder, como se algum dia ela tivesse saído.

A nossa pseudo-direita oferece hoje aos brasileiros unicamente a perspectiva de contentar-se com o fogo, caso contrário a frigideira está ali bem ao lado, à espreita, pronta para entrar em ação após as eleições do ano que vem. Ocorre que um país não pode viver tendo que escolher entre o fogo e a frigideira. É preciso que as pessoas de bem venham a oferecer à Nação algo mais do que escolher entre a tormenta e a tempestade. Crédito da foto: Creative Commons.

Leia também:
A Solução Não Está na Política: Mas Esta Afirmação Não Pode Ser Tomada Pelo Seu Valor de Face


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE