por angelica ca e paulo eneas
A ditadura comunista chinesa mantém ao menos 127 jornalistas presos na China, sendo que 71 deles são da minoria étnica muçulmana formada pelos uigures, que são mantidos em campos de concentração na região noroeste da Índia. A informação foi divulgada esta semana em um relatório da organização internacional Repórteres Sem Fronteiras. O relatório mostra os números da campanha de repressão perpetrada pelo regime comunista chinês contra o direito à informação.

Segundo o relatório intitulado The Great Leap Backwards Journalism in China, que pode ser traduzido como “Jornalismo na China: O Grande Salto Para Trás”, que na verdade é uma alusão em forma de trocadilho à expressão O Grande Salto Para Frente da era maoísta, os abusos cometidos pela ditadura comunista chinesa contra a liberdade de opinião e expressão estão se acelerando.

O relatório afirma que a repressão à livre expressão de pensamento e opinião atingiu nível sem precedentes nos últimos anos, transformando a China na maior prisão para jornalistas em todo o mundo.

A entidade ainda alertou que jornalistas que investigam assuntos considerados tabu ou que publicam informações censuradas podem pegar anos de prisão e que a pandemia do coronavírus tornou-se um “pretexto ideal” para estar perseguições.

Pelo menos dez pessoas foram detidas no ano passado por fazerem reportagens sobre a disseminação do coronavírus, entre ela a jornalista Zhang Zhan. Além disso, os correspondentes estrangeiros costumam ser intimidados e dezoito deles tiveram que deixar a China somente no ano passado.

A China, que é uma das grandes potências militares e econômicas do mundo, é governada por uma das ditaduras comunistas mais ferrenhas e desumanas da história. O modelo chinês de regime ditatorial, com o Estado usando da tecnologia para controlar e espionar cada passo da vida do cidadão e exercendo um forte controle sobre a economia, tem servido de inspiração para admiradores de regimes ditatoriais em outras parte do mundo, incluindo o Brasil.

Muitas figuras públicas brasileiras não escondem sua admiração pelo regime de ditadura comunista chinesa, e insistem em descrever tal regime como sendo exemplo de “capitalismo selvagem” recusando-se admitir que se trata da forma mais acabada de ditadura sempre preconizada pelos comunistas. Fonte: Europe World News.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE