Nunca vimos ou veremos militantes de esquerda comportando-se da mesma maneira que uma parcela da incipiente direita nacional, que despreza os poucos intelectuais de seu campo e age como se a roda da política tivesse sido inventada em 2019.


por paulo eneas
Na entrevista concedida nesta terça-feira (28/12) no canal do jornal Brasil Sem Medo, o professor Olavo de Carvalho discorreu, entre outros, sobre o papel de um escritor e filósofo no que diz respeito às implicações de seu trabalho na esfera da política.

O trecho da entrevista em que o professor Olavo de Carvalho fala a respeito do tema é de uma riqueza e clareza ímpares, e merece ser apreciado e apreendido como uma das mais importantes reflexões sobre como ocorre a guerra cultural e como ela se desdobra na esfera política. O professor afirmou:

“Em primeiro lugar, a atuação de um escritor ou de um filósofo não é [a mesma] de um cabo eleitoral. Ele não influencia pelo número de pessoas que leram os seus livros, mas pelo número de palavras e conceitos que ele pôs em circulação.

Toda a linguagem desse pessoal direitista bolsonarista foi eu quem criei, toda ela. Eles não inventaram nada. Eles tentam pensar do jeito que eu ensinei a pensar. Pensam mal, mas alguma coisa eles aprenderam.

E tudo que aprenderam, aprenderam comigo, não teve mais ninguém para ensinar-[lhes]. Inclusive o próprio [Presidente] Bolsonaro, inclusive o senhor Sérgio Camargo [presidente da Fundação Palmares que fez afirmações nas redes sociais esta semana procurando desqualificar a importância do professor Olavo de Carvalho para os conservadores brasileiros].

A função do escritor é criar uma cultura, não é criar um eleitorado. O eleitorado é um efeito secundário da cultura. Se eu já criei cultura, para que eu preciso criar eleitorado? Se não tem outra cultura, as pessoas seguem a cultura que existe. Por que antigamente todos votavam na esquerda? Por que eram esquerdistas? Não! É por que só existia cultura esquerdista.

Até o eleitor mais direitista votava na esquerda por que não havia outra cultura. Ele não sabia pensar fora dos cânones da esquerda, por mais que ele a odiasse. Eu ensinei outras coisas, outras palavras, outros conceitos, outros valores, outros símbolos e toda uma cultura, não por que eu desejasse que a direita dominasse tudo, mas [por que eu desejava] que existisse direita e esquerda. E isto existe hoje.

Portanto, a briga que eu criei está vencida. Eu mostrei que eu sei fazer, agir na esfera política. Mas esse pessoal não sabe. Por mais recursos e dinheiro que tenham, eles não sabem fazer”.

A fala do professor serve para esclarecer uma enorme confusão existente entre os apoiadores do presidente a respeito o papel dos intelectuais na guerra política e cultural. É fato que milhões de pessoas votaram no então candidato Jair Bolsonaro sem nunca terem ouvido falar em Olavo de Carvalho.

Mas existe uma diferença entre a massa de eleitores votantes, e o recorte social formado pela militância que propaga e difunde as ideias e valores formulados na alta cultura pelos intelectuais, traduzindo-os em plataforma política-eleitoral. A esquerda entende este mecanismo muito bem, há mais de um século, e por esta razão valoriza seus intelectuais e obtém vitórias, como mostramos no artigo abaixo.

Da mesma forma, em uma comparação puramente formal, pode-se perguntar quantos eleitores do petista Lula chegaram a ler ou conhecer os principais intelectuais petistas. Seguramente uma minoria ínfima, quase irrelevante eleitoralmente. Mas nem por isso os petistas consideram seus intelectuais descartáveis e dispensáveis, como faz a direita.

Nunca vimos ou veremos militantes de esquerda comportando-se da mesma maneira que uma parcela da incipiente direita nacional, que despreza os poucos intelectuais de seu campo e age como se a roda da política tivesse sido inventada em 2019.

Leia também:
Os Intelectuais Como Agentes da Guerra Política-Cultural na Perspectiva da Esquerda & da Direita


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE