por angelica ca e paulo eneas
A ditadura comunista chinesa reabriu sua embaixada na Nicarágua no penúltimo dia de dezembro do ano passado. A reabertura ocorreu três semanas após o ditador sandinista Daniel Ortega ter cortado relações diplomáticas da Nicarágua com Taiwan e ter restabelecido as relações com o regime comunista de Pequim.

Os representantes das ditaduras chinesa e nicaraguense assinaram uma declaração conjunta em dezembro, após Manágua ter anunciado o rompimento das relações com Taiwan. A declaração é uma negação da soberania nacional de Taiwan, pois afirma que a ilha é parte indivisível do território chinês.

O Ministro das Relações Exteriores da Nicarágua, Denis Moncada, e o novo Embaixador chinês Yu Bo, participaram da cerimônia de inauguração da nova sede diplomática, localizada em uma área residencial a sudeste de Manágua.

Em seu discurso, o representante chinês mentiu ao afirmar que o princípio de Uma Única China, que expressa as pretensões imperialistas chinesas sobre Taiwan, seria um suposto consenso na comunidade internacional. Por sua vez, o chanceler nicaraguense fez elogios ao regime comunista chinês e enfatizou a afinidade ideológica entre as ditaduras comunistas da China e da Nicarágua.

Denis Moncada lembrou que a ditadura comunista da China estabeleceu relações em 1985 com o primeiro governo sandinista de Daniel Ortega. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, também fez declarações protocolares e elogiou a ditadura comunista nicaraguense: “A China apoia fortemente a Nicarágua”, disse.

O ditador Daniel Ortega deu um prazo de duas semanas para que Taiwan desocupe sua embaixada em Manágua, cujo prédio foi entregue ao regime chinês na semana passada. Fonte: La Gaceta | Deutsche Welle | France 24.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE