por paulo eneas
O diretor-presidente da Anvisa e oficial reformado da Marinha do Brasil, o contra-almirante Antônio Barra Torres, afrontou a autoridade institucional do Presidente da República e exigiu publicamente uma retratação do Chefe de Estado, após questionamentos feitos pelo presidente a respeito dos critérios usados pela agência para autorizar a vacinação de crianças contra a Covid-19 com as vacinas produzidas pela Farmacêutica Pfizer.

Na semana passada o presidente Bolsonaro fez questionamento sobre os critérios usados pela Anvisa para liberar a vacinação de crianças. O presidente não fez nenhuma acusação a alguém em específico, mas levantou questionamentos, ainda que possivelmente isto pudesse ser feito de outra forma pelas vias institucionais formais, o que não retira a pertinência dos questionamentos levantados.

Em resposta a estes questionamentos, o diretor-presidente da Anvisa se insurgiu, usando de sua condição de oficial superior reformado da Marinha do Brasil, para afrontar o Presidente da República. Em nota oficial da agência, publicada ainda no sábado (08/Jan), o contra-almirante Antônio Barra Torres usou do escudo da Marinha do Brasil para exigir uma retratação do Presidente da República, que segundo a Constituição Federal, é o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Em editorial publicado nesta segunda-feira (10/Jan) no jornal Correio da Manhã, seu diretor de redação e jornalista Cláudio Magnavita afirmou: “Antônio Barra Torres virou o protagonista do tolo ato de insubordinação de um oficial general contra o comandante supremo das forças armadas brasileiras”. O jornalista prossegue afirmando:

“Para piorar a sua situação de motim, o atual presidente da agência assina a nota como contra-almirante RM1 Médico/Marinha do Brasil. Não há dúvidas. É um oficial general da reserva remunerado da Marinha, ocupando uma função de altíssima confiança no Governo Federal, peitando a sua autoridade maior”.

A nota oficial do contra-almirante Antônio Barra Torres repercutiu amplamente na imprensa e serviu de munição para mais ataques ao presidente. Nas suas narrativas, a grande imprensa, ancorando-se na nota do contra-almirante, passou exibir a Anvisa como sendo um autoridade institucional acima da autoridade do Chefe de Estado.

No trecho final de sua nota, Antônio Barra Torres ironiza a crença religiosa do presidente e afirma: “(…) exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate”. A nota do diretor-presidente da Anvisa, indicado pelo próprio presidente e que possui mandato de mais três anos à frente da agência, foi uma das mais explícitas demonstrações de afronta à autoridade institucional do chefe de governo.

A despeito desta afronta, a militância das redes sociais que normalmente é pautada pelo Centrão, não empenhou-se em sair em defesa do presidente diante deste ataque vindo desta vez não da esquerda, mas de um funcionário de alto escalão da República nomeado pelo próprio presidente. Crédito da Foto: Agência Brasil – EBC.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE