por rose rocha
A campanha começou e a imprensa já prepara o roteiro do “mise en scène” para fabricar o novo presidente do Brasil. O cenário é de amnésia geral. Mas não importa. O vale-tudo para ressuscitar a “boquinha” com o dinheiro público está acima de qualquer honestidade intelectual que salve o País das garras do PT.

Os recentes pronunciamentos do candidato à presidência da república, Luiz Inácio Lula da Silva, só não assombram os jornalistas, capachos da esquerda. Lula agora, quer um país para chamar de seu e não se abstém de pudor algum ao dizer parlapatices que se tornam públicas, pois a mídia trata logo de passar um photoshop nos dizeres do embusteiro e segue o baile.

O plano de governo de Lula passa bem longe de um país democrático e próspero, mas muito perto dos que vivem o socialismo na pele e osso, como a Venezuela, que caiu de 4ª nação mais rica do mundo para o país mais pobre da América Latina, passando à frente do Haiti, pois 94,5 % da população venezuelana vive em situação de pobreza e 76,6%, abaixo dessa linha.

Reflexo da política econômica Chavista e do autoritarismo de Maduro. Na Argentina de Fernández e Cristina Kirchner, a taxa de pobreza já chega a 42%, com uma inflação de 52% ao ano.

O Brasil de Lula não avança e segue à risca a velha receita da derrocada dos companheiros latinos, que assistem ao esboroamento de democracias sufocadas rumo a ditaduras sólidas que mantêm cheios os bolsos dos tiranos e o pensamento crítico censurado. O ex-presidiário, condenado pela Lava-Jato propõe o cabresto público e a imprensa amestrada aplaude. A revogação da Reforma Trabalhista e a regulação da mídia é só o princípio do fim.

A volta de Lula significa o fortalecimento dos sindicatos, alvará para o MST voltar a invadir terras, distribuição de milhões em dinheiro público para a Lei Rouanet e ONGs, estatização de empresas privadas para manter inchada a máquina pública, loteamento de estatais, injeção de dinheiro dos cidadãos brasileiros em ditaduras de outros países.

O passe livre dado ao ex-detento pelo STF, permite ao malandro desfilar pelo mundo disfarçado de estadista, enquanto os novos editores dos meios de comunicação tratam de apagar o passado do falastrão por aqui. Todavia, o prontuário do PT é longo:
• Mensalão
• Escândalo do DENIT
• Escândalo dos Bingos
• Escândalo dos Fundos de Pensão
• Operação Porto Seguro
• Caso Erenice Guerra
• Enriquecimento do Palocci
• Caso Idelli Salvatti
• Caso Fernando Pimentel
• Caso do Ministério dos Transportes
• Caso do Ministério dos Esportes
• Caso do Ministério do Trabalho
• Escândalo da Petrobras

Sem falar nos 14 milhões de desempregados que o PT conseguiu deixar, sem a ajuda da pandemia.

No estilo “Diga-me com quem roubas e te direi quem és”, Alckmin é o mais novo ressuscitado da mídia. O antigo rival do petista quer provar que chuchu dá mesmo em qualquer lugar e caráter é coisa para amadores – vende a alma e o resto de dignidade que lhe falta em busca do último suspiro político para enterrar a carreira pública de vez.

Enquanto as pesquisas dos Institutos, avalizadas pelos jornais abstêmios do dinheiro público, colocam Lula em primeiro lugar, o molusco alimenta as redes sociais com imagens antigas no meio do povo. Entretanto, não se atreve a andar duas quadras na Avenida Paulista para confirmar o resultado que os coleguinhas das redações inflam o peito ao vociferar.

Lula nunca fora preso político. É o retrato do Brasil que não dá certo. Do Brasil que rouba. Que é nivelado por baixo. Da educação que não ensina. Da saúde que não investe. De estradas que levam a lugar nenhum. Do país que defende a Amazônia, enquanto 50% da população não tem rede de esgoto e 55% dos dejetos é jogado na natureza. Do empregado que não pode ser patrão.

O jornalismo de omissão se esquiva da verdade e joga para debaixo do tapete o lixo deixado pelos governos Lula e Dilma. Anulará a crise econômica mundial gerada pela pandemia e jogará a conta no bolso do atual governo. Quer apagar a história para que o Brasil volte a ser conhecido como o País da Lei Rouanet, Futebol e Carnaval.

Rose Rocha é jornalista e comentarista da Jovem Pan Maringá e Panflix. É produtora de TV e atuou como âncora dos telejornais da Band e Globo. É uma das vozes femininas com pensamento liberal-conservador no Brasil.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE