por angelica ca e paulo eneas
O ex-chefe da força-tarefa de vacinas do Reino Unido durante o pico da pandemia do coronavírus, Dr. Clive Dix, afirmou em entrevista ao The Express que a vacinação em massa deve terminar após a conclusão da campanha de vacinação de reforço, e que o coronavírus deve passar a ser tratado como um vírus endêmico semelhante à gripe.

O Dr. Clive Dix, que foi presidente da agência governamental de dezembro de 2020 até abril do ano passado, pediu um retorno ao que ele chama de “nova normalidade”, onde as pessoas possam trabalhar e cuidar de seus afazeres se não estiverem doentes.

O cientista também defendeu uma mudança de orientação na abordagem da pandemia e afirmou que o Reino Unido precisa aprender a gerenciar a doença em vez de se concentrar em impedir a propagação do vírus. Ele acrescentou que o país deve “parar de medir o Covid-19 por números de casos, pois não vamos parar esses números”.

Segundo o cientista, “devemos parar de testar e deixar os indivíduos se isolarem quando não estiverem bem e retornar ao trabalho quando se sentirem prontos, da mesma forma que fazemos em uma temporada de gripe”.

Seus comentários sobre a gripe vieram depois que os cientistas sugeriram que a variante Omicron poderia ser menos letal do que o vírus sazonal. O Dr. Clive Dix afirmou ainda:  “Dado que o Omicron é uma variante muito, muito mais leve agora, é inútil continuar dando mais vacinas a pessoas que não ficarão muito doentes”.

“Devemos deixá-los adoecer. Devemos nos concentrar em saber por que as vacinas não são boas para parar a doença. O que vimos à medida que as variantes surgiram é que as vacinas são menos eficazes em interromper a infecção e a transmissão, mas ainda são muito boas em impedir que as pessoas contraiam uma doença grave”.

O Dr. Clive Dix, que participou do desenvolvimento e produção das vacinas contra o coronavírus durante sua gestão à frente da força-tarefa britânica, afirmou também que a vacinação em massa com base na população no Reino Unido deve terminar agora.

O cientista defendeu a realização de pesquisas sobre imunidade à Covid-19, o que poderia ajudar a criar vacinas específicas para pessoas com fatores de risco, e pediu ao governo britânico que apoie urgentemente este tipo de pesquisa, bem como pesquisa em anticorpos para incluir células B e T, para a criação de vacinas específicas de variantes para pessoas mais vulneráveis. Fonte: Daily Mail | The Guardian | The Express.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE