por angelica ca e paulo eneas
O primeiro-ministro da província canadense de Quebec, François Legault, anunciou nesta terça-feira (11/Jan) que os cidadãos  que se recusarem a receber a primeira dose da vacina contra covid-19 nas próximas semanas, em breve terão que pagar uma multa por seu impacto no sistema de saúde. Ele afirmou que o valor da multa ainda não foi determinado, mas enfatizou que será “significativo”.

“Estamos trabalhando em uma contribuição de saúde para todos os adultos que se recusam a ser vacinados” porque representam um “ônus financeiro para todos os quebequenses”, afirmou François Legault.

Logo após proibir as pessoas que se recusam a se vacinar contra a covid-19 de entrar em lojas de bebidas ou de maconha, a província canadense de Quebec introduzirá um novo imposto de saúde para quem não quis se submeter às vacinas experimentais. A alegação oficial é que as multas serão uma maneira de os não vacinados contribuírem para um sistema de saúde pública supostamente sobrecarregado.

Segundo o primeiro-ministro, apesar dos não-vacinados representarem apenas 10% da população da província, eles supostamente responderiam por metade das hospitalizações por covid em unidades de terapia intensiva e não devem “prejudicar” os noventa por cento que receberam as vacinas. O premier não exibiu nenhum indicador que confirme os números por ele apresentados.

Apesar da maioria predominante dos residentes da província ser reconhecida como vacinada, os casos de covid-19 aumentaram após o surgimento da variante omicron. Até o momento, Quebec tem o maior número de mortes atribuídas ao coronavírus, quando comparado a qualquer outra província do Canadá.

Por outro lado, do total de 433 novos pacientes que se registraram com Covid-19 nos últimos dias, 117 eram não vacinadas, enquanto 290 eram pessoas duplamente vacinadas. Entre os pacientes recém-admitidos em unidades de terapia intensiva, 12 não foram vacinados, enquanto 17 foram vacinados duas vezes.

Em 31 de dezembro de 2021, a província de Quebec impôs um toque de recolher noturno por conta do aumento das infecções pelo coronavírus. O toque de recolher vale das 22h às 5h da manhã e veio como medida adicional de restrições a pretexto de combate ao coronavírus em reuniões públicas e empresas. Fonte: RT News | Zero Hedge | The Gateway Pundit | CTV News Montreal.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE