por angelica ca e paulo eneas
O primeiro-ministro britânico Boris Johnson confirmou nesta quarta-feira (19/Jan) o fim de todas as medidas restritivas relacionadas à pandemia do coronavírus impostas recentemente na Inglaterra. O premier afirmou que as medidas do plano mais recente adotadas em função da variante omicron deixarão de vigorar a partir do 26 de janeiro. Entre estas medidas estão a de auto-isolamento obrigatório para pessoas que testam positivo para Covid-19.

Falando na Câmara dos Comuns, o parlamento britânico, o primeiro-ministro Boris Johnson anunciou que a partir da próxima quinta-feira (27/01) não será mais obrigatório o uso de máscaras em lojas, transporte público, escolas e outros espaços públicos fechados. Também deixa de ser obrigatória a apresentação de passaporte sanitário para acesso a locais públicos e grandes eventos.

Boris Johnson afirmou também disse que não será mais exigido o teste negativo recente de Covid-19 para acesso a locais públicos e eventos. O premier disse ainda que as máscaras faciais não serão mais obrigatórias nas salas de aula do ensino médio a partir desta quinta-feira (20/Jan), e que o Departamento de Educação removerá em breve as orientações nacionais sobre seu uso em áreas comuns.

As medidas do chamado “Plano B” foram introduzidas em Inglaterra no início de dezembro para combater a onda de casos causada pela variante omicron do coronavírus. O anúncio da suspensão das medidas restritivas foi feito no momento em que Boris Johnson enfrenta sua pior avaliação como chefe do governo britânico, especialmente após a divulgação de sua participação em festas e reuniões de funcionários do governo durante o período de restrições e bloqueios.

A oposição acusou o primeiro-ministro de usar as medidas como uma cortina de fumaça para as críticas que ele vem recebendo e cobrou que ele apresente dados científicos que justifiquem a retirada das restrições. Fonte:  Euro Press | The Guardian | Agência Reuters.


Não Deixe o Crítica Nacional Acabar!

Crítica Nacional precisa e muito do apoio de seus leitores para continuar. Dependemos unicamente do financiamento do nosso público leitor, por meio de doações e assinaturas de apoio, para tocar adiante nosso projeto.

Crítica Nacional é hoje um dos poucos veículos da chamada imprensa independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade dos fatos e a defesa de valores conservadores. Dentre os demais, muitos renderam-se ao chapa-branquismo desbravado, lançando mão até mesmo da divulgação de conteúdos falsos ou enganosos para esse intento. Esse tipo de conduta você jamais irá ver no Crítica Nacional.

Estamos nesse momento apelando encarecidamente ao nosso público para que contribua conosco. Você poderá fazer esta contribuição acessando este link aqui, onde terá a opção de fazer uma assinatura de apoio a um valor mensal irrisório e bastante acessível, e poderá também fazer uma doação no valor que desejar.

Muito obrigado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE