por angelica ca e paulo eneas
O governo da Dinamarca eliminou nesta terça-feira (01/Fev) quase todas as restrições impostas à população a pretexto da pandemia do coronavírus. Dentre as medidas adotadas está o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras, que passarão a exigidas apenas em hospitais, unidades de saúde e lares de idosos.

A primeira-ministra dinamarquesa Mette Frederiksen afirmou quando do anúncio do encerramento das medidas restritivas que “dizemos adeus às restrições e saudamos a vida que conhecíamos antes”. A partir do início deste mês a Dinamarca passará a estar aberta, afirmou Frederiksen.

Mette Frederiksen afirmou também que a doença não era mais ameaçadora para a sociedade e que, embora a variante omicron esteja surgindo na Dinamarca, ela não está sobrecarregando o sistema de saúde. A premier atribui este fato a alta taxa de vacinação no país. No entanto, médicos afirmam que a variante, apesar de seu elevado poder de contágio, apresenta baixa letalidade.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

“Pode parecer estranho que queiramos remover as restrições dadas as altas taxas de infecção. Mas menos pessoas ficam gravemente doentes”, afirmou a premier. O governo dinamarquês suspendeu nesta terça-feira todas as restrições domésticas, incluindo a obrigatoriedade do passaporte de vacina para acesso a restaurantes, cafés, museus e boates.

No entanto, o governo dinamarquês irá manter algumas medidas de fronteira em vigor por mais quatro semanas, incluindo testes ou quarentena, dependendo do status de imunidade dos viajantes. O ministro da Saúde, Magnus Heunicke, anunciou na terça-feira que o Covid-19 não seria mais considerado uma “doença socialmente crítica” a partir de 1º de fevereiro.

Heunicke pediu aos dinamarqueses que fizessem exames regularmente. “Continuamos com uma forte vigilância epidêmica. Então podemos reagir rapidamente, se necessário”. No ano de 2020, a Dinamarca tornou-se um dos primeiros países europeus a fechar escolas devido à pandemia. Foi também um dos primeiros a adotar o home office para funcionários públicos. Fonte: Daily Mail | ABC News | News Week.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE