por angelica ca e paulo eneas
O governo de Quebec, a maior província do Canadá, voltou atrás em seus planos de cobrar um imposto segregacionista exclusivamente das pessoas não vacinadas contra a Covid-19. A intenção do governo de Quebec de instituir este imposto segregacionista foi relatada no artigo Província Canadense de Quebec Aplicará Multa a Cidadãos Não Vacinados Para Supostamente Financiar Sistema de Saúde, publicado no Crítica Nacional em meados de janeiro.

Poucos dias após a chegada do Comboio da Liberdade à capital Ottawa e diante do enorme apoio recebido pelos caminhoneiros por parte da população canadense, o primeiro-ministro de Quebec, François Legault, anunciou nesta terça-feira (01/Fev) que preparou um projeto de lei para ser apresentado à Assembleia Nacional colocando fim ao imposto.

“Estamos vendo um descontentamento crescente. Vi, é claro, a reação dos partidos da oposição. Então, acho que também tenho uma responsabilidade além de proteger a segurança dos quebequenses (…). Também tenho a responsabilidade de que todas essas pessoas realmente aprendam a viver juntas, não queremos um Quebec dividido”, disse o premier da província, usando de uma desculpa nada convincente para ocultar as verdadeira razão de seu recuo e de sua derrota política.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Junto com a decisão de recuar da proposta absurda do imposto segregacionista, o premier François Legault anunciou também que academias e spas poderão reabrir suas instalações a partir da semana que vem. As atividades esportivas e artísticas também poderão ser retomadas neste mês.

A proposta do imposto segregacionista havia sido criticada por políticos de todo o Canadá. O líder do Partido Liberal de Quebec, Dominique Anglade, disse que o imposto representaria uma violação na universalidade do acesso aos cuidados de saúde para cada cidadão, independentemente do status econômico.

Na proposta original, não havia ficado claro qual seria o valor deste imposto, mas havia rumores de que poderia alcançar até US$ 800,00 por cidadão não vacinado. O recuo do premier de Quebec representou a primeira vitória importante dos caminhoneiros, cujos protestos no Canadá estão servindo de inspiração para iniciativas semelhantes em outros países. Fonte: CBC News | CTV News | Life Site News.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE