por paulo eneas
Na entrevista concedida na manhã desta segunda-feira (14/fev) à Rádio Jovem Pan, o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que o objetivo do movimento político conservador que ele tem liderado é o de formar uma bancada de parlamentares efetivamente comprometidos com os valores e com uma agenda política conservadora para substituir o Centrão no apoio a um segundo mandato do Presidente Bolsonaro.

Questionado se ele sofre ataques do bolsonarismo, Abraham Weintraub foi taxativo ao afirmar que os ataques que sofre nas redes têm origem no Centrão, bloco político ao qual ele se opõe e que ele distingue da figura do presidente.

Perguntado sobre se existe melhor opção de voto para presidência este ano do que Bolsonaro, Abraham Weintraub respondeu que não, e reafirmou sua declaração de voto em Bolsonaro nas eleições deste ano.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Sobre suas pretensões eleitorais, Abraham Weintraub afirmou que nada está decidido neste momento e que projeto político do Brasil35, antigo PMB, é tornar-se a casa dos conservadores, sem a presença da esquerda ou do Centrão.

Weintraub ainda alertou para os compromissos que partidos do Centrão, especialmente o Partido Liberal, chefiado por Valdemar da Costa Neta, têm com governos estaduais tucanos e petistas. No decorrer de toda a entrevista, Abraham Weintraub mostra que o movimento político que ele lidera procura resgatar as pautas aprovadas nas eleições de 2018 e que são diametralmente opostas a alianças estratégicas com partidos do Centrão.

O ex-ministro lembra que foi por influência do General Ramos que o Centrão foi trazido para dentro do governo, e que antes disso, pautas importantes como a Reforma da Previdência e a independência do Banco Central foram aprovadas sem a necessidade desse tipo de acordo, mas por meio de negociações “da porta para fora”. A íntegra da entrevista pode ser vista abaixo.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE