Pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Clínicas Duke, vinculado à Universidade Duke, nos Estados Unidos, decidiu incluiu doses mais altas de ivermectina em um estudo em andamento, que visa avaliar o uso de medicamentos já existentes em casos leves e moderados de Covid-19. O estudo realizado em parceria com a Universidade Vanderbilt, teve início na última quinta-feira (17/02). Os pesquisadores pretendem testar os efeitos de uma dose diária de 600 mg/kg por seis dias contra o coronavírus.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Além da ivermectina, um antiparasitário, estão sendo testados também a fluticasona, um medicamento normalmente utilizado para prevenir e tratar a asma, e a fluvoxamina, um inibidor seletivo de recaptação de serotonina, usado para tratamento de depressão. A expectativa é que 15 mil voluntários norte-americanos participem deste estudo acadêmico.

Nos últimos dois anos toda a grande imprensa mentiu afirmando ao público que medicamentos como a ivermectina seriam “comprovadamente ineficazes” para o tratamento de pessoas com Covid-19. Esta mentira custou vidas e resultou na perseguição e demonização de médicos que atendem na linha de frente pacientes com Covid-19. Fonte: Portal G1.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE