O Senado da Flórida aprovou nesta terça-feira (08/03) a Lei dos Direitos dos Pais na Educação, que proíbe discussões sobre orientação sexual e a chamada “identidade de gênero” nas escolas de ensino fundamental naquela Estado norte-americano. O projeto de lei obteve aprovação final por 22 votos a 17, com dois republicanos juntando-se a democratas na oposição.

A medida vem poucos dias após o senado estadual ter aprovado medida restringindo o aborto na Flórida. A lei será agora enviada à mesa do governador republicano Ron DeSantis para ser sancionada. Ron DeSantis já sinalizou seu apoio à iniciativa e irá sancionar o projeto.

Aprovado no mês passado pela Câmara dos Representantes da Flórida por uma votação de 69 a 47, o texto proíbe professores de abordar seus alunos com certos tópicos da pauta identitária, uma vez que  a lei considera que tais temas “não são adequados à idade ou apropriados para o desenvolvimento dos alunos”.

O projeto também dará maior autoridades aos pais, e permitirá que as famílias possam processar escolas ou professores que venham a tratar desse tema com seus filhos. Após a sanção, a lei entrará em vigor a partir de 1º de julho.

A Flórida e alguns poucos outros Estados norte-americanos mostram que é possível fazer o enfrentamento à agenda identitária da esquerda globalista no ambiente das democracias liberais, coisa que seria impensável em regimes de ditadura sob uma fachada democráticas, como o regime de Vladimir Putin na Rússia.

. Fonte: Washington Examiner | Agência Reuters | Bloomberg.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE